Renato Gaúcho se esquiva sobre o Flamengo, mas afirma: “Vou estudar todas as propostas”

Treinador optou em não dar ênfase aos rumores envolvendo o Flamengo

Bruno Romão
24 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Lucas Uebel/Grêmio

Após ser cogitado em Santos e Corinthians, Renato Gaúcho optou por estender seu período de férias. Dessa forma, durante evento no Maracanã, o treinador não escapou dos questionamentos envolvendo o Flamengo. Isso porque Rogério Ceni, mais uma vez, está sofrendo uma grande pressão no cargo, e seu nome é um dos cotados para ocupar o cargo.

Mesmo assim, Renato Gaúcho rechaçou qualquer contato preliminar para assumir o Flamengo. Sendo assim, ele fez questão de respeitar o atual comandante rubro-negro. Sobre seu futuro, o técnico admitiu que seu momento de descanso pode ser encerrado em breve.

“Agradeço muito porque todas as vezes que passei pelo Flamengo fui tratado como ídolo. Sempre tive um carinho de toda torcida do Flamengo, Fico feliz e lisonjeado, mas o Flamengo tem um grande treinador e eu estou de férias (…) Quando cansar, se aparecer propostas, vou estudar todas com carinho. Quando cansar, daqui a pouco eu volto”, declarou.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

SONHO DE TREINAR A SELEÇÃO

Recentemente, Renato Gaúcho admitiu que segue com o sonho de treinar o Brasil. Porém, como Tite deve seguir no ciclo atual de Copa do Mundo, ele teria que aguardar até 2023 para ter uma chance.

“Quando eu tinha 19 anos meu sonho era chegar na Seleção Brasileira. Cheguei. Hoje tenho outro sonho, de treinar a seleção. Se vou chegar, não sei, mas vou trabalhar para chegar. Respeito o trabalho do Tite e dos outros treinadores , mas tenho que sonhar. É meu próximo objetivo”, declarou ao “Bem, Amigos!”.

LEIA MAIS

Após recusar o Corinthians, Renato Gaúcho define prioridade na carreira e aguarda chance

Renato Gaúcho explica ‘não’ ao Corinthians após mobilizar torcedores e admite preferência por trabalho no Rio