Andressa Alves acredita que seleção precisa melhorar ofensivamente: “ser mais criativa, mais dribladora”

Meia da Roma acredita que a seleção brasileira feminina precisa de ajustes no ataque para fazer uma boa campanha nas Olimpíadas de Tóquio

Flavio Souza
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Reprodução / Instagram oficial Andressa Alves

Desde que Pia Sundhage assumiu o comando da seleção, é nítido que a treinadora conseguiu ajustar a defesa brasileira. Mas por outro lado, o ataque ainda mostra pontos a serem corrigidos. Esse assunto é abordado não só pela técnica como pelas jogadoras. Nesta terça-feira (13), foi a vez de Andressa Alves falar sobre o assunto. Em entrevista coletiva, a meia da Roma deu sua opinião sobre o assunto.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

“Estamos trabalhando muito taticamente, um ponto que sabemos que o brasileiro tem que evoluir. Melhoramos na defesa, mas precisamos melhorar na parte ofensiva ainda, criar mais jogadas e ser mais agressivas. Mas acho que vamos chegar bem preparadas. Quando vestimos essa camisa temos que lutar pelo primeiro lugar sempre.

Acredito que estamos preparadas fisicamente, mas temos que evoluir ofensivamente. Temos que ter mais criatividade, usar o que o brasileiro tem de melhor, que é o improviso, o drible”.

Confira outros trechos da coletiva de Andressa Alves

Presença na lista final das Olimpíadas

“Estou feliz de estar na lista final. Somos um grupo completo. Não só eu como as outras meninas estamos felizes. Em 2015 foi meu primeiro Mundial com a seleção principal, tinha o nervosismo. Agora estou um pouco mais velha, , já joguei em vários clubes, Olimpíada no RJ, então estou bem mais preparada para ajudar a seleção de todas as formas.”

Posição em campo

“Eu já joguei em várias posições, mas com a Pia eu venho jogando como meia pelo lado esquerdo. Na Roma eu atuo como meia-atacante, então é a posição que eu acabo rendendo bastante.”

LEIA MAIS:

Andressa Alves comenta o fato de ser inspiração para outras jogadoras: “às vezes não caí minha ficha”

Rafaelle explica mudança defensiva do Brasil e trabalhos realizados para aprimorar o ataque