Gui Santos retira seu nome do Draft 2021 da NBA

Decisão partiu do próprio atleta, que visa ser um candidato mais interessante em 2022

Rafael Costa
Estudante de Rádio, TV e Internet, apaixonado por esportes desde pequeno e com vontade de levar o basquete. Atualmente, aprendendo a ser narrador e jornalista.

Crédito: Divulgação / Washington Wizards

De acordo com Jon Chepkevich, analista de jovens prospectos para a NBA, o ala brasileiro não estará no Draft 2021. Apesar de ter dispensado a seleção brasileira para as Olimpíadas de Tóquio 2020, o jogador decidiu que não era o momento de tentar uma vaga. Gui Santos realizou treinamentos com oito equipes da liga e certamente entrou no radar dos olheiros.

A SAÍDA DO DRAFT

Com apenas 19 anos, o jovem atleta optou por se preparar por mais um ano, atuando pelo Minas no Brasil. De fato, o primeiro passo foi dado e seu nome já ronda entre os times da maior liga do mundo. A estratégia era clara: participar das atividades do draft e conhecer os times, assim, se preparando para o ano que vem. Como ainda é um jogador muito jovem e com pontos a melhorar, fazer parte do processo era fundamental para o futuro. Seu foco estará no Draft de 2022, onde o mesmo promete ser um prospecto interessante.

REPERCUSSÃO INTERNACIONAL DE GUI SANTOS

Atuando no Brasil desde o início de sua carreira, o atleta foi convocado para o Nike Hoop Summit em 2021, no time World. O evento internacional é um importante centro de treinamento para futuros atletas. Assim, ajudou a desenvolver jogadores como Anthony Davis, Karl Anthony Towns, Julius Randle, Nikola Jokic e Kyrie Irving, todos estrelas da NBA hoje.

Outros brasileiros que participaram do evento conseguiram o sonho de entrar na liga. Como Lucas Nogueira, Raul Neto e o mais recente da lista, Didi Louzada, que integrou o time World em 2019. Didi enfrentou James Wiseman, Isaac Okoro e Cole Anthony, três jovens atletas que já são titulares em seus times.

FUTURO NO BRASIL

Com a decisão de ficar mais um ano no Brasil, Gui Santos ganha a oportunidade de melhorar seus fundamentos. Ainda mais que seu clube, o Minas, jogará a Basketball Champions League Americas, mais importante competição sul-americana de basquete. No último NBB, atuou como o 6º homem da equipe, sendo fundamental na rotação. Teve médias de 7.8 pontos, 5.2 rebotes e 1.5 assistências por jogo. Venceu os prêmios de Maior Evolução do NBB 2020/21 e Destaque Jovem da competição. Nas temporadas 2018/19 e 2019/20, atuou apenas em 7 jogos somados, mas em 2020/21, esteve em quadra em 35 ocasiões.

Embora não participe dessa edição do Draft, suas qualidades físicas são pontos chave em seu jogo. Possui uma versatilidade para atuar tanto como ala-armador e ala, junto a uma altura de 2.02m. Briga dentro do garrafão por rebotes e trabalha bem no poste baixo, mas ainda peca nos arremessos.