Presidente coloca obrigações para Felipão e projeta data para a fuga do Grêmio do Z-4

Presidente Romildo acredita que o Grêmio sairá da zona do rebaixamento já no próximo mês

Matheus D'Avila
Colaborador do Torcedores

Crédito: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

A vitória sobre o Fluminense no sábado animou o Grêmio. O 1 a 0 conquistado no Rio de Janeiro foi o primeiro triunfo dos gaúchos no Campeonato Brasileiro. Agora com seis pontos somados na tabela de classificação, os gremistas buscam sair da zona do rebaixamento (Z-4) e alçar voos maiores na competição. Nesse sentido, o presidente do clube, Romildo Bolzan Júnior, deu detalhes sobre o que é projetado.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

“Objetivo é fazer uma campanha de recuperação e jogar a próxima Libertadores da América. (O objetivo é) Ficar entre os seis primeiros colocados. Nosso cálculo era chegar nesse momento com 19 pontos”, disse o mandatário em conversa com o jornalista Luís Henrique Benfica.

Dentro dessa projeção, o Grêmio deu um passo importante no final de semana. Conforme as ideias do presidente, a equipe precisa ter como obrigação vencer os dois próximos jogos. Ou seja, LDU, pela Sul-Americana, e o América-MG, pelo Brasileirão. Desse modo, o time resgatará de vez a confiança e embalará na busca por subir na classificação.

“A partir de agora é (preciso) fazer uma campanha normal e recuperar os pontos que deixamos de ganhar. (…) Em agosto já estaremos vivendo uma situação mais tranquila no Brasileirão”, projetou Romildo.

Confronto direto próximo

A equipe comandada por Felipão mira sair do Z-4 nas próximas três semanas. Por fim, sábado, na Arena, contra o América-MG, o Grêmio terá um confronto direto para ficar mais próximo do objetivo. Atualmente, os mineiros ocupam a 16ª posição com 9 pontos conquistados, três a mais que os gaúchos. Logo, são os primeiros a se livrarem do rebaixamento na competição. Uma vitória gremista em casa deixará os tricolores empatados com o Coelho, tendo ainda dois jogos a menos no campeonato por conta dos adiamentos do último mês.

LEIA MAIS: