Raio-X: como foram os últimos trabalhos de Lisca, novo técnico do Vasco

Lisca irá estrear no comando do Vasco contra o Guarani, sábado, em São Januário

Wilson Pimentel
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/ Vasco

Antes de mais nada, o Vasco tem um novo técnico para comandar a reação do time na Série B do Campeonato Brasileiro: Luiz Carlos Cirne Lima de Lorenzi, o Lisca Doido. Após a demissão de Marcelo Cabo, a diretoria levou menos de 24 horas para fechar a contratação.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

Lisca era, a princípio, a única opção do diretor executivo Alexandre Pássaro que conversou pessoalmente com o treinador em Porto Alegre. Nesse ínterim, o dirigente apresentou os planos do clube para o restante da temporada.

Dessa forma, ele chega a São Januário após realizar trabalhos consistentes no América-MG, Ceará, Juventude e Náutico. Agora, Lisca terá a missão de reconduzir o Vasco à Série A do Campeonato Brasileiro.

Esquema tático

Antes de mais nada, Lisca está diante do maior desafio de sua carreira. Com pouco tempo para treinar, ele deve repetir o modelo de jogo utilizado durante sua passagem pelo América-MG. Adepto do 4-2-3-1, o treinador também escala seus times no 4-4-2, 4-5-1 e 5-4-1.

Lisca costuma armar suas equipes para valorizar o centroavante. Afinal, o treinador gosta de jogadores com porte físico avantajado para ganhar os duelos de primeira e segunda bola. Germán Cano, só para exemplificar, tem tudo para se dar bem com o treinador.

O argentino se destaca pela imposição física, poder de arranque, condução da bola e nas finalizações. Além disso, Lisca costuma valorizar o ataque rápido com saída de bola curta com os volantes se posicionando para pegar o rebote e iniciar a pressão na transição defensiva.

Na defesa, Lisca gosta de ver seus jogadores exercendo marcação por zona. O ponto a ser destacado em suas equipes é a intensidade das ações coletivas e individuais. Normalmente, seus comandados chamam a atenção pelo número de desarmes que efetuam por partida.

Desempenho em outros clubes

O Torcedores.com listou os principais de Lisca. Vale ressaltar, antes de mais nada, que a reportagem levantou seus principais trabalhos. Ou seja, por América-MG, Ceará, Internacional, Náutico e Juventude.

América-MG

Jogos: 82

Vitórias: 42

Empates: 27

Derrotas: 15

Aproveitamento: 60%

Após um ano e quatro meses, Lisca pediu demissão do América-MG em virtude dos maus resultados na Série A do Campeonato Brasileiro. Na temporada passada, só para exemplificar, o time fez uma campanha histórica na Copa do Brasil, alcançando à semifinal. Na Série B, foi vice-campeão, conquistando o acesso. E neste ano, foi vice-campeão mineiro.

Ceará

Jogos: 54

Vitórias: 21

Empates: 20

Derrotas: 13

Aproveitamento: 51%

Nas duas passagens pelo Ceará, Lisca evitou dois rebaixamentos quase certos. Em 2015, livrou o Vozão da queda para a Série C do Campeonato Brasileiro. Três anos depois, foi chamado às pressas para manter o clube na elite do futebol nacional. Contudo, foi demitido após perder o Campeonato Cearense para o rival Fortaleza.

Internacional

Jogos: 3

Vitórias: 1

Empates: 1

Derrotas: 1

Aproveitamento: 44%

Lisca foi contratado para evitar livrar o Internacional do rebaixamento na Série A do Campeonato Brasileiro de 2016. Segundo ele, sete pontos seriam suficientes para manter o clube na primeira divisão. No entanto, o clube gaúcho somou apenas quatro pontos e teve a queda para a Série B confirmada. Posteriormente, foi demitido pela diretoria colorada.

Náutico

Jogos: 61

Vitórias: 25

Empates: 15

Derrotas: 21

Aproveitamento: 49%

Nas duas passagens que teve pelo Náutico, Lisca colecionou desafetos fora das quatro linhas. Nesse ínterim, entrou em rota de colisão com o diretor de futebol Lúcio Surubim e com o gerente de futebol Carlos Kila. Posteriormente, foi demitido do clube após ser vice-campeão pernambucano. 

Juventude

Jogos: 57

Vitórias: 29

Empates: 15

Derrotas: 13

Derrotas: 49%

Lisca iniciou a carreira no Juventude em 2012. Ele marcou seu nome na história do cube ao conquistar a Copa da Federação Gaúcha. A competição regional, inclusive, garantiu a classificação do time para a Série do Campeonato Brasileiro do ano seguinte.

LEIA MAIS: 

Conheça Alexandre Gomes, o técnico interino do Vasco 

“Lamento por não ter tido um contato mais próximo dos torcedores”, diz Marcelo Cabo em despedida do Vasco 

Mercado da bola: Vasco empresta centroavante ao Confiança para ganhar experiência