Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Rayssa Leal quer continuar fazendo história e planeja manobra que nenhuma mulher conseguiu em um evento oficial

Após conquistar a medalha de prata nos Jogos Olímpicos, Rayssa já planeja os próximos passos

Paulo Foles
Jornalista, amante da escrita e apaixonado por esportes. Twitter: @PaulFoles

Crédito: Crédito: Reprodução/Jogos Olimpicos

Rayssa Leal fez história ao se tornar a atleta brasileira mais jovem da história a conquistar uma medalha olímpica. Após conquistar a prata, a skatista segue querendo fazer história e planeja realizar uma manobra que nenhuma mulher conseguiu em um evento oficial até hoje.

Trate-se da “Caballerial tail de back”, usada parcialmente por Kelvin Hoefler durante a etapa que o tornou vice-campeão olímpico entre os homens. A jovem de 13 anos explicou sobre o plano ousado para os próximos meses:

“Eu quero aprender o Caballerial tail de back, que é a manobra parecida com a que o Kelvin fez ontem. Nunca vi uma menina jogando essa manobra, mas vejo essa manobra toda hora no skate masculino. Eu quero aprender manobras novas e chegar em um campeonato e ninguém saber o que eu vou fazer… aí pum, você acerta. O nível do skate está cada vez maior entre as mulheres”, explicou a ‘Fadinha’.

Kelvin fez a manobra no corrimão, e Rayssa fará no caixote. O movimento é da seguinte forma: back é quando o atleta entra de costas na manobra, enquanto Tail significa que a entrada foi com a parte de trás do shape. Por fim, Caballerial é o nome da manobra, que homenageia o skatista Steve Caballero, inventor da manobra.

Rayssa Leal conquistou a medalha de prata após grande final, em que ela teve chances de ficar com o ouro. Momiji Nishiya, também de 13 anos, ficou em primeiro lugar, enquanto Funa Nakayama ganhou o bronze.

LEIA MAIS: 

Olimpíadas de Tóquio 2020: Confira o quadro de medalhas completo
Leal aparece em ‘stories’ de Tony Hawk e dá novo apelido
Rayssa se emociona com medalha nas Olimpíadas: “não caiu a ficha”