Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Casagrande detona Daniel Alves, sobe o tom e manda recado: ‘Não se faça de vítima’

Casagrande não gostou de uma entrevista dada por Daniel Alves

Eder Bahúte
Jornalista e assessor de imprensa.

Crédito: Reproducao/TV Globo

Em seu blog no ‘Globoesporte‘, Casagrande criticou declarações dadas por Daniel Alves. Na sua visão, o lateral-direito se faz de vítima ao dizer que o São Paulo ‘não tinha condições de tê-lo’. O comentarista ainda contestou alguns comportamentos do jogador neste período no clube paulista.

Para Casagrande, Daniel Alves não demonstrou ser o líder que todos imaginavam ser. ‘Nos enganamos feio. Não demonstrou liderança alguma’.

“Esta semana, ele deu uma entrevista. Criticou a diretoria e disse que ficar no São Paulo atrapalharia o sonho de ir para a Copa. E disse que o clube não tinha condições de tê-lo. Para mim, isso é se fazer de vítima. Não se faça de vítima, Daniel“, diz Casão.

Apesar das críticas ao atleta, Casagrande em nenhum momento ‘alivia’ para o São Paulo, que não cumpriu com o acordo estabelecido na ocasião. Casa vê como justa as cobranças do jogador, mas ao mesmo tempo se colocou em uma posição acima do clube.

“Cobrou o que o Tricolor lhe devia, com toda razão, mas não aceitou nenhuma tentativa de acordo que a diretoria fez. Resolveram rescindir o contrato, e saiu falando de falta de respeito. Aí ele pareceu se achar mais importante do que o próprio clube”.

Livre no mercado, Daniel Alves decidiu não fechar com nenhuma outra equipe até dezembro. “Ele disse que não vai jogar até o final do ano. Alegou que não é por dinheiro, mas por hombridade. Se fosse assim, poderia ter aceitado a proposta do Fluminense, que era ótima para qualquer jogador”, questiona Casagrande.

Casagrande ainda traça um perfil de jogadores que necessita a seleção. “Precisa de jogadores com amor pela camisa de verdade, não da boca para fora. Todo tipo de amor aparece com atitudes, e não com palavras”.

Protegido de Diniz?

“Quando começou a se falar na demissão do Fernando Diniz, ele saiu em forte defesa do treinador, que mantinha sua condição de jogar muito mal e não ser substituído nunca. Vimos o treinador ofender um jogador, o Tchê Tchê, ao vivo. Mas com ele, nem uma bronquinha tinha”.

Decepção em campo

“O Daniel viu o Tricolor fazer seu melhor jogo na temporada lá em Buenos Aires, contra o Racing, sem ele. Ele esteve como titular, falhando, no massacre contra o Palmeiras, sendo eliminado da Libertadores. Depois disso, não jogou mais”.