Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Osasco domina Barueri e levanta pela 16ª vez o troféu do Campeonato Paulista de vôlei feminino

Repetindo atuação dominante do primeiro jogo, Osasco confirma favoritismo e fecha a série em 2 a 0, ampliando o recorde de títulos do paulista

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Twitter - Osasco Voleibol Clube

Osasco São Cristovão Saúde não dá chances para o azar, vence as ‘Chiquititas’ de Barueri fora de casa e conquista o 16º título do Campeonato Paulista de vôlei feminino de sua história. Mesmo atuando no ginásio José Corrêa, o time de Luizomar de Moura não se intimidou com a torcida contra, se impôs e repetiu o placar da primeira partida, 3 sets a 0 (25/16, 25/17 e 25/17) para erguer o troféu e vencer Barueri pela segunda vez em decisões estaduais.

Tiffany foi a principal pontuadora da partida, com 15. Michelle Pavão também teve grande contribuição na pontuação, com 12. Porém, vale ressaltar o grande desempenho da equipe. Muita consistência defensiva, com Brait brilhando mais uma vez, além da  forte marcação no bloqueio e contínuo volume no ataque, muito bem distribuído pela levantadora Fabíola.

Bastante modificado em relação a temporada passada, as únicas remanescentes são Camila Brait, Camila Paracatu e Karine. A renovação possibilitou Osasco trazer grandes nomes, como as centrais Fabiana (bicampeã olímpica) e a norte-americana medalhista de ouro no Campeonato Mundial de 2014 e bronze dos Jogos Olímpicos do Rio-2016 Rachel Adams, além da pontuadora Tiffany e as experientes Fabíola e Michelle Pavão.

Ainda assim, Osasco aumentou sua maior sequência de finais disputadas. Essa foi a 11ª consecutiva e a oitava conquista no período. Ao todo, em 22 decisões, o tradicional clube faturou 16 títulos.

OSASCO DESEMPATA HISTÓRICO DE FINAIS CONTRA BARUERI 

Esta foi a segunda decisão entre as cidades. Em 2017, Osasco também levou a melhor. Em 2019, Barueri havia dado o troco. Portanto, com o troféu conquistado hoje, o clube osasquense desempatou o confronto em finais e agora está em vantagem por 2 a 1.

Camila Brait agora obtém oito títulos do estadual. Luizomar de Moura alcançou sua 11ª conquista. Ambos poderiam ter mais uma medalha na galeria, porém não estiveram em quadra na decisão de 2017. O técnico estava comandando a seleção feminina do Peru e a líbero não participou do campeonato por estar grávida de sua filha Alice.

BARUERI SURPREENDEU CHEGANDO NA FINAL E PRECISA DE AJUDA PARA O PROJETO CONTINUAR

Apesar da derrota, Barueri deixou uma grande lição e evidenciou nomes que podem fazer barulho no vôlei brasileiro para os próximos anos. Com uma média de idade muito jovem, de apenas 21 anos, as comandadas do multicampeão José Roberto Guimarães fizeram um ótimo papel na competição.

Além da competitividade, as ‘Chiquititas’ movimentaram o mundo do vôlei e fãs fizeram campanha para angariar patrocínio master para ajudar o projeto de cinco anos fundado pelo próprio José Roberto. O técnico investe na equipe, juntamente de sua família, do próprio bolso e visa revelar talentos para o vôlei brasileiro.

O JOGO

ESCALAÇÕES

Osasco São Cristóvão Saúde: Fabíola, Tiffany, Michelle Pavão, Carla, Fabiana, Rachel Adams e Camila Brait

Suplentes: Kenya, Camila Paracatu, Silvana, Stephanie, Saraellen e Keyla Alves

Barueri Volleyball Club: Jacke, Lorrayna, Glayce, Karina, Diana, Lorena e Laís

Suplentes: Vivian, Jheovana, Ana Luiza, Lívia, Larissa, Paulina e Karol

1º SET

Barueri não começou bem. Cometeu dois erros, sofreu um bloqueio de Rachel Adams e uma largadinha de Carla. Assim, Osasco abriu 4 a 0 e José Roberto rapidamente pediu tempo para orientar a equipe. As visitantes contaram com o bom saque de Fabíola e um forte bloqueio, marcando muito bem o ataque das donas da casa. Barueri, após ver 6 a 0 no placar, reagiu e marcou quatro pontos seguidos. Agora foi a fez de Luizomar de Moura paralisar o jogo, pedindo para o time retomar a eficiência defensiva e funcionou. O time osasquense abriu 9 a 4. Porém, a situação se repetiu e Barueri anotou novamente três pontos sem interrupção.

Defendendo muito bem, Osasco pontuou com Tiffany, na largadinha, após rali. 12 a 9. Aos 15 a 11, Fabíola fez uma bola de ‘segunda’ e surpreendeu a defesa adversária. No ponto seguinte com ataque de Tiffany, José Roberto parou para pedir à equipe minimizar os erros. Rachel Adams cometeu um erro não muito comum e pisou na linha na hora do saque, mas a vantagem osasquense ainda permanecia com certo conforto, em 20 a 16. Após bloqueio de Michelle, erro de Barueri e ataque de Tiffany explorando o bloqueio, Osasco levou a primeira parcial em 25 a 16.

2º SET

Osasco iniciou como no primeiro set, com bloqueio presente, pontuando ou amortecendo o ataque adversário. Michelle Pavão, com 1,78cm, não é considerada muito alta para os padrões do vôlei, mas mostrou ótimo posicionamento e anotou dois pontos no fundamento. Somando com um de Rachel Adams, a equipe somou três dos sete pontos iniciais da parcial. Fabiana marcou seu primeiro ponto no jogo numa jogada ‘China” e colocou 10 a 3 no placar.

Zé Roberto substituiu Diana por Karol Tormena e a central entrou bem, bloqueando o ataque osasquense por duas vezes. Contudo, Barueri prosseguia cometendo muitos erros, ao passo que Osasco mantinha a consistência defensiva. Com 16 a 6, Osasco diminuiu o ritmo e viu as donas da casa anotarem quatro pontos consecutivos. Luizomar pediu tempo. As equipes passaram a trocar pontos, mas rapidamente o clube osasquense se impôs. Michelle, destaque do set, ao defender um ataque, passou a bola para o outro lado da rede. Porém, Barueri bateu cabeça e ninguém foi para a bola. O time da casa não demonstrava mais sinais de reação no set, encaminhado em 23 a 14. Osasco cometeu uma infração rara. Iria fazer uma substituição. Porém, a arbitragem marcou a demora e Barueri ganhou um ponto de graça. Mas já era tarde. Na diagonal, Carla fechou o set em 25 a 17.

3º SET

Confiante, Carla anotou seu segundo ace na partida e abriu 4 a 1 para Osasco. Posteriormente, a equipe aumentou a vantagem. A terceira parcial repetia as duas anteriores. Barueri não conseguia desenvolver seu jogo e achar alternativas para conter o volume de jogo das adversárias. Tudo fluía muito bem para Osasco. Repleto de jogadoras experientes, colocou 13 a 5, uma vantagem confortável. Dali para frente só administrou. O jovem time de Barueri sentiu a decisão e a experiência de Osasco fez toda a diferença. Para acabar com o jogo, Michelle “soltou o braço” e deu números finais ao jogo, à série em 2 a 0 e ao campeonato, culminando no 16º título estadual do clube.

OSASCO 2 A 0 BARUERI

15/10 – Ginásio Municipal Professor José Liberatti – Osasco

21h30 – Osasco São Cristóvão Saúde 3×0 Barueri Volleyball Club (25/21, 25/20 e 25/22)

19/10 – Ginásio José Corrêa – Barueri

18h – Barueri Volleyball Club 0x3 Osasco São Cristóvão Saúde (16/25, 17/25 e 17/25)

 

LEIA TAMBÉM:

Osasco vence Barueri e larga na frente na final do Paulista de vôlei feminino

Osasco e Barueri abrem a final do Paulista de vôlei feminino; saiba onde assistir

Carol Solberg volta a criticar Bolsonaro e cita 600 mil mortos por Covid: ‘Me dói muito’

Seleção brasileira conquista título, mas perde liderança no ranking mundial de vôlei feminino após derrota para Colômbia

Galvão Bueno detona VAR em jogos do Flamengo e Atlético

STJD define punição de titular do Palmeiras por expulsão

Calleri avalia “ataque perfeito” do São Paulo e revela “pior erro” da carreira

Flamengo terá retorno de titulares contra o Athletico; veja provável