Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Fluminense: atacantes marcaram gols em apenas um dos últimos 11 jogos no Brasileirão

Homens de frente do Flu vivem péssima fase no Campeonato Brasileiro

Lucas Ayres
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/Lucas Merçon/Fluminense

Tem sido um desafio daqueles ser atacante do Fluminense ultimamente. Não que o setor de criação seja necessariamente abaixo da média, ou que os jogadores mais ofensivos sejam muito sacrificados no esquema do técnico Marcão. Mas o fato é que eles não têm produzido.

Ao fim do jogo contra o Juventude, na última quarta-feira (17) — uma derrota por 1 a 0 no estádio Alfredo Jaconi —, os homens de frente chegaram a uma expressiva marca negativa: só fizeram gols em uma das últimas 11 partidas do Tricolor no Brasileirão.

O confronto em questão foi a grande vitória sobre o Flamengo, por 3 a 1, em que o jovem atacante John Kennedy, em uma de suas primeiras partidas como titular, balançou as redes rubro-negras duas vezes. O outro tento foi anotado pelo centroavante Abel Hernández, num golaço que acertou o ângulo.

Desde então, e em algumas partidas anteriores, os tentos foram marcados pelo zagueiro David Braz (contra o Sport), pelo volante Yago Felipe (diante do Palmeiras) e pelo zagueiro Zé Ivaldo, contra (no 1 x 0 sobre o Athletico-PR). Nas outras seis derrotas e um empate no período, o time sequer furou a defesa adversária.

Para além de uma possível má-fase dos atacantes, uma explicação possível é a alteração de esquema por Marcão. Na maior parte desses 11 jogos, o Fluminense atuou com um trio de frente, mas munido por um trio de volantes, rodando entre André, Martinelli, Yago Felipe e Nonato. Ainda que tenham suas qualidades, os homens de meio são mais defensivos e articuladores, o que pode ter gerado menores oportunidades claras ao pessoal da frente.

Outra tese é a ausência de Fred. O centroavante e ídolo do Flu não participou de cinco das 11 partidas. Além do inesgotável faro de gol, ele exerce um papel de liderança moral e técnica, inclusive atuando muitas vezes como um pivô, levemente recuado, arrumando jogadas para os pontas.

Seja qual for a explicação, os atacantes tricolores estão devendo. E precisam pagar o quanto antes, se o time carioca pretende se classificar para a Copa Libertadores de 2022.

LEIA TAMBÉM

Cantillo no Fluminense? Corinthians toma decisão sobre futuro do meia

Athletico Paranaense pode fazer história duas vezes na final da Copa Sul-Americana; entenda

Brasileirão Série A 2021: confira a tabela completa do campeonato

Brasileirão Série B 2021: confira a tabela completa do campeonato

Grêmio bate 90% de risco de queda; veja as chances do Brasileirão

Narrador anuncia demissão do Grupo Globo após 13 anos

Brasileirão: ataque, defesa, melhores mandantes e returno; veja as estatísticas após a 33ª rodada

Cafu diz que Neymar ‘não tem vida’ e defende: “A resposta é em campo”

Fluminense soma mais pontos contra os times na ponta da tabela do que clubes no Z4 do Brasileirão

Lucca, do Fluminense, sofre novos ataques e apaga perfil em rede social