Torcedores – Notícias Esportivas

CBF quer discutir Fair Play Financeiro em 2022; entidade sofre pressão de clubes

Mecanismos de controle de gastos no futebol brasileiro estão na pauta de CBF há algum tempo; clubes querem evitar discussão de propostas

Victor Martins
Formado na Universidade Metodista de São Paulo. No Torcedores desde 2016 ou algo parecido.Antes trabalhei para a GG12 (empresa de prestação de serviços de conteúdo para sites), prestando serviços para sites como Federação Paulista de Futebol, Chico Lang, 10dofutebol, Milton Neves, Rádio Capital e outros,

Crédito: Divulgação/CBF

O futebol brasileiro poder ter que ver em breve a implantação de seu próprio Fair Play Financeiro. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) quer discutir o assunto novamente em 2022, segundo informação de Rodrigo Mattos em seu blog no Uol Esporte.

O plano para a implantação dos mecanismos de controle de gastos dos clubes de futebol foi pensado pela entidade em 2019, com a chance de ser implementado em 2022. Mas a pandemia do coronavírus, iniciada em 2020, postergou os planos e também 2021 não houve a implantação do projeto, que deve ser novamente discutido em 2022, com o início definitivo das regras, em especial da punição dos clubes que infringirem as normas financeiras a serem implantadas pela CBF.

No entanto, o Fair Play Financeiro é um assunto que divide os clubes. Há aqueles favoráveis à implantação das regras financeiras e outros contrários, além daqueles que pedem um novo adiamento para adaptar seus orçamentos às regulamentações. A discussão não impedirá que se discuta a implantação já em 2022.


“É uma retomada de cronograma. Por sugestão dos clubes, ficou para 2022”, afirmou Reynaldo Buzzoni, diretor de registro, transferências e licenciamento da CBF.

O principal ponto a ser discutido é a punição que os clubes podem sofrer se quebrarem tais regras. No que a entidade quer implantar, apenas os clubes que não enviarem seus orçamentos para serem analisados é que poderão sofrer sanções. Quem gastar mais do que arrecada, que é o ponto principal do uso do Fair Play, não seria punido. Por causa das eleições na CBF, não há chances de que isto seja colocado em prática já para o próximo ano.

“Tem questão de punição. Se os clubes não apresentarem o plano de trabalho, por não estar no parâmetro, ele vai ser punido. Vai sofrer uma sanção. Tem que apresentar um plano de trabalho. Não vai resolver em um ano. Tem quer ser um plano bem estruturado e que não seja fictício. Sanção vai de advertência à proibição de contratar”, explicou o diretor da entidade.

LEIA TAMBÉM

Mercado da bola: 8 estrelas do futebol que são especulados no Brasil

Reforço? Atlético toma decisão sobre a contratação de Edenílson, do Inter

Abel Ferreira é “ignorado” em lista dos melhores técnicos do mundo

CBF divulga ranking nacional de clubes com Flamengo no topo; veja top-20

Mercado da Bola: Vitória anuncia Dado Cavalcanti como treinador para 2022

Mais um clube entra na disputa por Cavani, Coutinho na mira de gigante inglês e mais: Veja as movimentações do mercado da bola na Europa nesta quinta (23)

Brasil termina o ano atrás apenas da Bélgica no ranking da FIFA; veja a lista

CBF indica eleição de novo presidente da entidade para janeiro