Home Futebol Mauro Cezar abre o jogo sobre demissão de Bruno Lage no Botafogo e cita John Textor

Mauro Cezar abre o jogo sobre demissão de Bruno Lage no Botafogo e cita John Textor

O jornalista fala em erro e falta de paciência dos dirigentes da SAF do Glorioso  

Márcio Padula
Márcio Padula é um jornalista que atua há dois anos na cobertura da Sociedade Esportiva Palmeiras e em seu início de carreira escreveu para o jornal Diário de São Paulo sobre os quatro grandes clubes do Estado. Graduado pela FIAM – Faculdades Integradas Alcântara Machado em 1997, já passou por assessorias de comunicação, revistas e jornais. Atualmente no Torcedores.com.

O jornalista Mauro Cezar escreveu em seu perfil no ‘Twitter’ sobre a demissão do comandante do Botafogo, o português Bruno Lage, depois do empate contra o Goiás, pelo Brasileirão Série A.   

PUBLICIDADE

“Que Bruno Lage parecia perdido e vinha mal é óbvio. Mas não custa lembrar que John Textor foi elogiado no começo do campeonato brasileiro por ter mantido Luís Castro, que entre o ano passado e a semana de estreia na Série A teve sua demissão pedida várias vezes por botafoguenses. Se ele acertou por insistir, agora errou por não ter paciência ou falhou na escolha? O fato é: SAFs e clubes comandados pelos velhos cartolas têm o mesmo modus operandi até aqui. Vasco, Cruzeiro e Bahia reforçam a tese. Todos trocaram de treinadores no meio do Brasileirão”, escreveu Mauro Cezar.

Vale citar que Bruno Lage chegou em julho ao Glorioso, e assim fechou uma passagem total de menos de 90 dias no Botafogo.

PUBLICIDADE

Neste período, Bruno Lage foi o comandante do Botafogo em 15 jogos, com quatro vitórias, sete empates e quatro derrotas, ou um aproveitamento de 42,2%.

Assim, foram dez rodadas do Brasileirão Série A, com três vitórias, quatro empates e três derrotas (43,3% de aproveitamento).

Além disso, também comandou a reta final da campanha na Copa Sul-Americana, com o Botafogo saindo nas quartas de final, eliminado pelo Defensa Y Justicia, da Argentina.

Comparando os técnicos do Botafogo, Castro teve melhores números       

Em comparação com o seu antecessor, Luís Castro, o técnico teve uma passagem de mais de um ano pelo Botafogo, já que chegou em março de 2022 e deixou o clube em junho deste ano.

PUBLICIDADE

Com isso, Castro conquistou 42 vitórias, 15 empates e 23 derrotas no comando do Glorioso, o que dá um aproveitamento de 58,7%.

Ainda, Castro dirigiu o Botafogo no Brasileirão, Copa do Brasil, Sul-Americana e Campeonato Carioca, e conquistou a Taça Rio de 2023.

Por fim, com interino ou novo técnico, o Botafogo volta a campo neste domingo (08.10), às 16h, para o clássico contra o Fluminense.