Home Futebol Entenda o que começou a mudar no Corinthians depois da chegada de António Oliveira

Entenda o que começou a mudar no Corinthians depois da chegada de António Oliveira

Na coluna PAPO TÁTICO, Luiz Ferreira analisa a estreia do treinador no Timão e a vitória sobre a Portuguesa neste domingo (11)

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.
António Oliveira, novo técnico do Corinthians

António Oliveira, novo técnico do Corinthians - (Rodrigo Coca / Agência Corinthians)

PUBLICIDADE

É óbvio que ainda é muito cedo para se fazer análises mais profundas sobre o trabalho de António Oliveira no Corinthians. Por outro lado, é possível afirmar que algumas mudanças já são perceptíveis. Principalmente dentro de campo. E essa talvez seja a melhor notícia da estreia do novo técnico do Timão.

A vitória sobre a Portuguesa de Desportos neste domingo (11), também serviu para aliviar um pouco a pressão sobre os jogadores e também para tirar (ainda que momentaneamente) o Corinthians da zona do rebaixamento no Paulistão. Por mais que estejamos falando de um início de trabalho num contexto muito complicado, António Oliveira se saiu bem por fazer o simples com o material que tem em mãos. Não foi por acaso que sua equipe mostrou mais competitividade.

Só os próximos jogos (principalmente contra adversários mais fortes) vão dizer se António Oliveira vai conseguir recuperar o bom futebol do Corinthians. No entanto, o resultado positivo em cima da frágil Portuguesa alivia o ambiente e já serve para dar um pouco de tranquilidade nesse início de trabalho.

PUBLICIDADE

Mudanças na escalação inicial e postura agressiva sem a bola

António Oliveira apostou numa formação semelhante à utilizada por Mano Menezes. Um 4-1-4-1 que trazia Raniele, Rodrigo Garro e Maycon no meio-campo, Wesley muito participativo pelo lado esquerdo e Yuri Alberto jogando mais pelo lado direito por conta da lesão do paraguaio Romero. Mais atrás, Caetano jogava na lateral-esquerda e dava mais liberdade a Fagner do outro lado. Já a Lusa entrou em campo num 5-4-1 e buscava as bolas longas para o trio ofensivo.

Formação inicial das duas equipes. António Oliveira mandou o Corinthians a campo num 4-1-4-1 com Raniele, Garro e Maycon no meio-campo e Yuri Alberto no ataque.
Formação inicial das duas equipes. António Oliveira mandou o Corinthians a campo num 4-1-4-1 com Raniele, Garro e Maycon no meio-campo e Yuri Alberto no ataque.

É verdade que os espaços entrelinhas continuaram aparecendo ao longo da partida. Tanto que Cássio salvou chute de Chrigor logo aos seis minutos de jogo. Aos poucos, no entanto, o Timão foi se encontrando no 4-1-4-1 de António Oliveira com marcação mais alta e sufocando a saída de bola da Portuguesa. Falta acertar ainda a compactação entre os setores e os espaços atrás de Rodrigo Garro e Maycon, mas foi bom ver o Corinthians com outra postura.

O Corinthians adiantou suas linhas e tentou sufocar a saída de bola da Portuguesa. Faltou fechar o espaço entrelinhas. Foto: Reprodução / YouTube / Paulistão
O Corinthians adiantou suas linhas e tentou sufocar a saída de bola da Portuguesa. Faltou fechar o espaço entrelinhas. Foto: Reprodução / YouTube / Paulistão

Lesionado, Pedro Raul deixou o jogo para a entrada de Rojas. A partir daí, o Corinthians ficou mais equilibrado. Yuri Alberto se movimentava bastante na frente da linha de cinco defensores da Portuguesa e abria espaços para as chegadas dos companheiros de equipe. O primeiro gol do domingo (11) veio em penalidade discutível sofrida por Fagner e cobrada com segurança por Maycon. Era o que o Timão precisava para controlar o jogo.

Corinthians segura a Lusa e mostra consistência

Apesar dos problemas defensivos que ainda precisam de tempo para serem resolvidos, podemos sim afirmar que o Corinthians fez bom jogo diante da Portuguesa. Raniele ficou um pouco sobrecarregado na cobertura dos espaços no meio-campo, mas não comprometeu. Assim como Fagner, jogando com um pouco mais de liberdade na direita. Além disso, o 4-1-4-1 ganhou mobilidade com Wesley (depois Gustavo Mosquito) e Rojas pelos lados.

PUBLICIDADE
Fagner ganhou mais liberdade para apoiar com Caetano e Gustavo Mosquito na esquerda. O Corinthians foi mais organizado. Foto: Reprodução / YouTube / Paulistão
Fagner ganhou mais liberdade para apoiar com Caetano e Gustavo Mosquito na esquerda. O Corinthians foi mais organizado. Foto: Reprodução / YouTube / Paulistão

Depois que Yuri Alberto fez o segundo gol corintiano aos 33 minutos da segunda etapa, António Oliveira sacou Rodrigo Garro, Maycon e Caetano para as entradas de Ryan Gustavo, Vera e Hugo. O 4-1-4-1 básico foi mantido assim como a ideia inicial do treinador português. Gustavo Mosquito e Rojas cortavam para dentro e abriam o corredor para a subida dos laterais. Ao mesmo tempo, Yuri Alberto descia e buscava o espaço entrelinhas da Portuguesa.

Rojas e Gustavo Mosquito cortam para dentro, laterais avançam e Yuri Alberto busca a entrelinha. Equipe mais arrumada em campo. Foto: Reprodução / YouTube / Paulistão
Rojas e Gustavo Mosquito cortam para dentro, laterais avançam e Yuri Alberto busca a entrelinha. Equipe mais arrumada em campo. Foto: Reprodução / YouTube / Paulistão

Conforme mencionado anteriormente, a grande notícia deste domingo (11) para a torcida do Corinthians nem foi a vitória sobre a Portuguesa. António Oliveira mostrou nessa sua estreia que o elenco que tem em mãos tem qualidade e plenas condições de jogar mais e melhor. Além disso, alguns jogadores (principalmente Yuri Alberto, Raniele e Rojas) atuaram com mais confiança e buscaram algo diferente do que vinha sendo feito com Mano Menezes.

A grande missão de António Oliveira no Corinthians

Sem pensar muito, é possível dizer que esse time do Corinthians pode fazer muito mais do que vem fazendo nesse Paulistão. Ainda que o desempenho esteja bastante abaixo do desejado, o que se viu nesse domingo (11) foi uma equipe que pelo menos parecia disposta a ser competitiva. E essa é a grande missão de António Oliveira (pelo menos nesse início de trabalho). Fazer o elenco competir, brigar por cada lance e apresentar um mínimo de organização.

Fato é que o Timão e António Oliveira não têm muito tempo. Faltam apenas cinco rodadas para o fim da primeira fase e a equipe precisa tirar uma diferença de quatro pontos para Mirassol e Inter de Limeira se quiser se garantir na fase de mata-mata do Paulistão. E ficar de fora das quartas de final seria terrível. Mesmo nesse inicio de trabalho do treinador português.

PUBLICIDADE