Home Futebol Casagrande sugere duas “sombras” para Endrick na seleção brasileira: “Tem que mudar”

Casagrande sugere duas “sombras” para Endrick na seleção brasileira: “Tem que mudar”

Comentarista vê com bons olhos processo de renovação que vem sendo estabelecido por Dorival Júnior

Bruno Romão
26 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: [email protected]
Dorival Júnior e Endrick.

Dorival Júnior e Endrick, em Inglaterra x Brasil (Rafael Ribeiro/ CBF)

Considerando que Endrick merece assumir a camisa 9 do Brasil, Casagrande torce por uma concorrência de alto nível na seleção. Em entrevista ao “Área Delas“, do canal Denilson Show, o ex-jogador apontou que Pedro, do Flamengo, e Vitor Roque, do Barcelona, ao lado do jovem do Palmeiras, são ótimas opções para a posição de centroavante no Brasil.

PUBLICIDADE

“Tem atacantes, mas sempre convocam os mesmos. Leva o Endrick, Vitor Roque, Pedro… começa a modificar as coisas. A seleção brasileira tem que mudar muita coisa.”, disse Casão.

Em relação aos demais setores, Casagrande espera chances em campo para Murilo, do Palmeiras, e Murillo, do Nottingham Forest. Ainda que as convocações de Rafael e Pablo Maia tenham sido alvo de críticas, a dupla do São Paulo também foi aprovada pelo comentarista.

PUBLICIDADE

“A defesa também tem gente pedindo passagem. O Murillo, que era do Corinthians e está no Nottingham Forest, está pedindo chance, o Murilo, do Palmeiras, também está pedindo chance. Os dois caras convocados para a lateral-esquerda, Ayrton Lucas, Wendell… começa a criar uma novidade.”

“Convocar o Rafael e o Pablo Maia, do São Paulo, é um fato novo e começa a dar uma animada.”, afirmou.

Casagrande pede seleção próxima dos torcedores

Após um péssimo ano, Dorival Júnior chegou ao cargo com a missão de recolocar o Brasil nos eixos. Sem enxergar brecha para uma nova mudança, Casagrande acredita que o técnico vai conseguir recuperar a paixão intensa do povo pela seleção.

“Eu acho que o Dorival vai pra Copa, é o último treinador até a Copa. Ele vai fazer mudanças e criar um fato novo.”

PUBLICIDADE

“A novidade anima. O torcedor não tem mais identificação com a seleção brasileira. Quando vem novidade, o torcedor se anima e cria expectativa. Uma das coisas que o Dorival tem que recuperar, urgentemente, é a identificação e entusiasmo do torcedor com a seleção. Nós estamos desanimados com a seleção brasileira. Não é torcer contra, é desânimo.”, sinalizou.