Home Futebol Denílson se impressiona com titular da seleção brasileira: “Protagonista”

Denílson se impressiona com titular da seleção brasileira: “Protagonista”

Comentarista elogiou “pitbull” que teve capacidade de neutralizar o setor ofensivo da Inglaterra

Bruno Romão
26 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: [email protected]
Inglaterra x Brasil.

Jogadores de Brasil e Inglaterra em amistoso (Rafael Ribeiro/ CBF)

Em alta na Premier League, João Gomes ganhou a confiança no início de trabalho de Dorival Júnior. Junto de Bruno Guimarães e Lucas Paquetá, o atleta formado no Flamengo teve um bom desempenho na vitória sobre a seleção inglesa, motivo pelo qual Denílson acredita que o volante assumiu um protagonismo no meio-campo do Brasil.

PUBLICIDADE

Classificando João Gomes como “pitbull”, Denílson valorizou o ímpeto do trio de meio-campistas da seleção brasileira. Na defesa, o ex-jogador também fez questão de valorizar a segurança da dupla formada por Beraldo e Fabrício Bruno.

“Os jogadores de meio-campo foram protagonistas. O João Gomes, por exemplo, foi um pitbull no meio de campo, estava em todos os cantos do campo e dando liberdade para o Bruno Guimarães.”, disse Denílson, no Jogo Aberto.

PUBLICIDADE

“O Beraldo parece que joga na seleção e está no futebol europeu há um tempo. O Fabrício Bruno também jogou muito bem. Foi uma vitória diante de uma seleção que vinha de nove jogos sem perder. O Brasil fez frente e jogou de igual para igual.”, completou.

Denílson exalta empenho de Paquetá

Principal articulador de jogadas do Brasil, Lucas Paquetá se doou ao máximo em campo. Neste cenário, Denílson e Chico Garcia destacaram a importância do camisa 8 para o funcionamento tático do esquema de Dorival Júnior.

“Ele quis mostrar para o treinador, de um modo geral, que merece estar na seleção brasileira. Ele estava muito dinâmico. Quando tem a bola, ele é muito criativo, mas sem a bola ele evoluiu muito pelo futebol praticado no lugar que exige um comprometimento sem a bola.”, afirmou Denílson.

“O Paquetá jogou muito no meio-campo. Ele cometeu faltas excessivas, mas criou muita coisa. Ele foi o camisa 10, estava em todas as partes do campo.”, completou Chico Garcia.

PUBLICIDADE