Home Futebol Rivellino vê escassez de craques e indica jogador diferenciado atuando no Brasileirão

Rivellino vê escassez de craques e indica jogador diferenciado atuando no Brasileirão

Ídolo do Corinthians também criticou escolhas de Tite no trabalho à frente da seleção

Bruno Romão
Bruno Romão atua, como redator do Torcedores.com, na cobertura esportiva desde 2016. Com enfoque em futebol brasileiro, futebol internacional e mídia esportiva, acumula experiência em eventos como Copa do Mundo e Olimpíadas. Possui diploma de bacharelado em Jornalismo pela Universidade Estadual da Paraíba.
Palmeiras.

Jogadores do Palmeiras comemoram gol no Paulistão (Cesar Greco/Palmeiras)

Presente em uma geração repleta de craques, Rivellino acredita que o futebol nacional se encontra em baixa. Diferentemente do passado, o ex-jogador sinalizou que não é possível cravar o principal nome em atividade no país. Neste cenário, a escassez de atletas brasileiros acima da média foi mencionada no discurso.

PUBLICIDADE

“Jogando no futebol brasileiro, quem é o craque e monstro? Quem você fala? (Arrascaeta) é gringo.”, disse Rivellino, no podcast Alambrado Alvinegro.

Logo depois, Rivellino exaltou as características que tornam Endrick um jogador diferenciado. Perto de deixar o Palmeiras, o camisa 9 vem evoluindo cada vez mais, motivo pelo qual o ídolo do Corinthians acredita que o Real Madrid pagou “barato” ao fechar um acordo de 60 milhões de euros (R$ 334 milhões).

PUBLICIDADE

“Hoje tem o Endrick, um garoto que é uma promessa. Acho que o Palmeiras está arrependido. Pelo que falam do garoto, acho que vendeu barato. Ele tem que jogar o futebol que ele sabe jogar. Ele é velocista, forte e bate bem na bola. Tem que fazer o que ele sabe. Não adianta inventar. Outro dia foi inventar de meter umas ‘roscas’ que não deu certo. É um jogador que precisa de espaço.”

“O Abel botou ele pelo lado, ele não é centroavante hoje. Ele tem mais espaço para usar o que tem de bom, que é a velocidade.”, analisou.

Rivellino aponta erros de Tite na seleção

Sinalizando que os jogadores não podem ser “sacrificados”, Rivellino citou dois casos envolvendo a seleção. Além do posicionamento equivocado de Willian, houve uma sinalização de que Gabriel Jesus foi afetado na Copa de 2018 pela escolha tática de Tite.

“Tem que respeitar a qualidade do jogador. Vou falar do Willian. Ele jogava de ponta e meia no Chelsea, tem qualidade, chegada boa, velocidade e bate bem na bola. O Tite fazia o que dele? Aberto na ponta direita para marcar lateral. Ele não jogava. Na Copa de 2018, a melhor partida do Willian foi flutuando contra o México. Ele sabe flutuar porque tem uma qualidade de passe. Contra a Bélgica, botou o Willian aberto e não jogou nada.”

PUBLICIDADE

“Esse garoto, o Gabriel Jesus, na seleção ele jogava como? Marcando lateral. Não chegava na área uma vez.”, recordou.