Com apenas 45 minutos em campo pela Portuguesa-RJ, Jobson é desligado do clube

Após desentendimentos entre Jobson, treinador e demais atletas, jogador não faz mais parte do elenco da Portuguesa-RJ para a disputa do Campeonato Carioca

Cleverton Silva
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Nathan Diniz/Portuguesa-RJ

Jobson não é mais jogador da Portuguesa-RJ. O jogador deixa a Lusa Carioca tendo jogado apenas 45 minutos coma camisa do clube, que disputa o Campeonato Carioca.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Em entrevista ao Uol Esporte, Jobson não se mostrou nada satisfeito. O jogador atacou a Portuguesa-RJ, declarando que o clube deixou ele de lado, mesmo com condições de jogo.

“Eles fizeram o maior auê para me trazer, maior mídia, marketing, camisa 95 por conta dos 95 anos do clube… Essa palhaçada toda. Aí o cara me trouxe para cá, disseram que eu estava acima do peso, beleza. Treinei para c***, fiquei no peso na moral e não me colocaram para jogar. Me levaram só para o jogo do Macaé. Pode procurar se faltei treino, se deixei de cumprir meus compromissos lá. Minha vida agora é igreja e família, família e igreja. Não têm nada o que falar de mim de indisciplina. Os caras me deixaram para escanteio, no terceiro time, me deixaram largado”.

Desentendimento com o treinador da Portuguesa-RJ

O jogador falou também sobre o treinador da Lusa carioca, Rogério Corrêa. O atacante declarou que o técnico da equipe não foi com a sua cara, e ainda afirmou que “não é pior do que os que estão” no elenco.

“O treinador é um cara que, por ter jogado, sentiu um pouco de vaidade comigo, só pode. Treinei com grandes treinadores e não tive problema. Já fiz m*** e tal, mas não de parte tática. Eu fiquei na minha e não vou entrar em discussão. Ele nem treinador é. Era auxiliar e agora assumiu. Ele não foi com minha cara. Fiz meu papel certinho. Não tenho nada contra, mas não sou pior do que os que estão lá”.

“Eu não pedi para sair”

Ao jornal Extra, o vice de futebol da Portuguesa-RJ, Marcelo Barros, diz que a saída de Jobson do clube “foi amigável, em comum acordo”. Porém, o jogador afirma que não pediu para sair, e sim, que um supervisor do clube disse que não contaria com ele. O atacante ainda destaca que foi proibido de treinar no clube.

“Eu não pedi para sair em nenhum momento. O supervisor Bruno que me chamou na sala e falou que não queria contar comigo e com outros. Mas não tem problema. É só pagar o que tem que me pagar. Por enquanto foi tudo de boca. E ainda me proibiram de treinar. Já estou há quatro dias sem treinar. Isso é proibido por lei. Como vou manter minha forma se outro clube se interessar por mim?”.

Jobson chegou à Portuguesa-RJ em novembro de 2019, como o grande estrela da equipe para a disputa do Campeonato Carioca de 2020. Durante a carreira, o grande momento do atacante foi com a camisa do Botafogo.

LEIA MAIS