Chelsea se torna o primeiro clube a adaptar os treinos aos ciclos menstruais das jogadoras

Iniciativa foi conduzida pela treinadora Emma Hayes e visa reduzir e prevenir a incidência de lesões nas jogadoras

Vinícius Rodrigues Alves
Advogado por formação, roqueiro de criação e escritor por opção!

Crédito: Reprodução/Chelsea Football Club Women

A equipe feminina do Chelsea é o primeiro clube do mundo a criar um programa de treinamento adaptado aos ciclos menstruais de suas jogadoras.

A iniciativa visa melhorar o desempenho das atletas e reduzir as lesões, revela o Telegraph Sport.

Acompanhe as notícias do seu time pelo Facebook

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

O novo programa de treinamentos foi implantado no clube em agosto de 2019 e que, se adotado em demais clubes poderá revolucionar a forma de gerenciar as atletas.

Esse cronograma visa auxiliar no controle de peso, que sofre alterações durante certas fases do ciclo, reduzindo a incidência de lesões de tecidos moles, como danos no ligamento cruzado anterior, que é associado à menstruação.

A responsável por aplicar o método é Emma Hayes, treinadora da equipe, que notou que as mulheres foram tratadas fisicamente da mesma forma que os homens e que concessões específicas deveriam ser tomadas para a melhora no desempenho das jogadoras.

É justo dizer que sou treinadora de mulheres em um setor em que as mulheres sempre foram tratadas como homens pequenos”, afirmou ela. “A aplicação de qualquer coisa, desde a reabilitação à força, condicionamento e tática, tudo vem da base do que os homens fazem.

“O ponto de partida é que somos mulheres e, finalmente, passamos por algo muito diferente dos homens mensalmente. E temos que entender melhor isso porque nossa educação falhou na escola; não fomos ensinados sobre nossos sistemas de reprodução. Ele vem de um lugar em que queremos saber mais sobre nós mesmos e entender como podemos melhorar nosso desempenho”, explicou Hayes. 

A ideia de estudar o ciclo de suas jogadoras veio em 2016, após sua equipe perder a final da Copa da Inglaterra para o Arsenal.

O estudo teve a contribuição de Georgie Bruinvels, fisiologista e corredora internacional. Ela foi a responsável por desenvolver o FitrWoman, aplicativo que permite que as mulheres insiram informações sobre sua saúde menstrual e sintomas relacionados, que são registrados e monitorados.

Com o consentimento das atletas, Hayes e sua comissão acessam suas informações, adaptando o programa de treinos.

“O ciclo menstrual é um processo inflamatório e o excesso de inflamação pode resultar em uma lesão”, diz a Dra. Bruinvels “Não se deve apenas a altos níveis de estrogênio, mas acompanhar o ciclo também é muito importante em termos de risco de lesão óssea”.

A nova rotina de treinamentos baseada no programa do Chelsea também é de interesse do Lyon, atual campeão europeu, e a treinadora das jogadoras do Chelsea vê com bons olhos outras equipes querendo seguir o programa.

“Nós nos vemos, de várias maneiras, como líderes do jogo”, disse ela, “e seria incrível se outros começassem a fazer isso. Essas jogadoras serão a primeira geração de mulheres que são bem educadas sobre seu ciclo menstrual e espalharão esse conhecimento o máximo possível e esperamos que isso se torne uma cultura em todos os clubes de futebol do mundo, para que todos possam lidar com isso, melhor com seus ciclos menstruais.”

O Chelsea é o atual vice-líder da Super Liga Feminina, somente um ponto atrás do Manchester City.

LEIA MAIS

Prêmio Torcedores de Mídia Esportiva 2019: confira os finalistas e deixe o seu voto!