Raízes japonesas, apoiado pelo mundo dos videogames e esperança do Brasil para a Fórmula 1; conheça Igor Fraga

Brasileiro tem história de luta e superação para seguir o sonho de chegar à categoria máxima do automobilismo mundial

Yuri Bascopé
Colaborador do Torcedores

Crédito: Toyota Racing Series

No último domingo (16), Igor Fraga se tornou não apenas o primeiro brasileiro a ser campeão neste ano, mas também o primeiro piloto do mundo a conquistar um título em 2020. Mas quem é Igor Fraga e por que ele tem chamado tanta atenção do mundo do automobilismo? O Torcedores.com conta um pouco sobre o atleta.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

A história do Igor Fraga começa do outro lado do mundo, mais especificamente no Japão. O piloto nasceu em Kanazawa, no dia 26 de setembro de 1998, mas é filho de pais brasileiros. Ele cresceu no território nipônico e durante esse período, deu os seus primeiros passos no kartismo. Igor foi sete vezes campeão japonês e uma vez campeão asiático. Porém, a carreira vitoriosa teve que ser interrompida, devido a crise financeira de 2008.

Com as condições econômicas se deteriorando no Japão, Igor se mudou para o Brasil junto de seus pais. Ele retomou a sua carreira em 2014 e disputou a Fórmula 1600 Paulista e a Fórmula Vee. Em 2015, Igor migrou para a Fórmula 3 Brasil para ser piloto da equipe de PropCar Racing, chefiada por Dárcio dos Santos, tio de Rubens Barrichello.

Em seu primeiro ano, Igor terminou o campeonato na terceira colocação. Ele permaneceu na categoria até 2017, quando se sagrou campeão. Paralelamente, o piloto também passou a disputar a Fórmula 4 NACAM, onde ficou com o vice-campeonato. E foi justamente essa aventura em terras mexicanas que mudou a sua vida.

Destaque mundial “por acidente”

Para conhecer melhor o Autódromo de Hermanos Rodríguez, sede do GP do México de F1, e que contaria com a F4 como categoria suporte, Igor comprou o jogo F1 2018. Após retornar da etapa, seus amigos avisaram que a Fórmula 1 estava fazendo uma seleção de pilotos virtuais utilizando o game. Ele entrou na competição e se classificou em quinto para a fase presencial do F1 Esports.

Com pouco tempo de treino, devido a seus compromissos na F4, Igor ficou apenas na 18ª colocação. Depois do destaque no virtual, Igor voltou seu foco para o automobilismo real e foi para os Estados Unidos disputar a USF2000. Morando na casa de Roberto Moreno, ele disputou o certame pela Exclusive Autosport, com um terço do orçamento ideal. A dificuldade financeira era tanta, que seu pai Fabrício teve de trabalhar como mecânico para a equipe.

Igor terminou o ano em quarto e em seguida voltou para as corridas virtuais. Ele faturou o título da primeira edição do FIA Gran Turismo Nations Cup e recebeu o prêmio diretamente das mãos de Lewis Hamilton. Quatro meses depois, seria a vez do piloto vencer o McLaren Shadow, competição virtual da equipe inglesa de F1.

Financiado pelo mundo dos games

Os bons resultados no virtual lhe abriram portas no automobilismo europeu. Com o patrocínio do jogo Gran Turismo, Igor foi confirmado em cima da hora para participar da Fórmula Regional Europeia em 2019, pela mediana DR by RP. Com quatro vitórias ao longo da temporada, ele terminou o campeonato na terceira posição, perdendo apenas para Frederik Vesti e Enzo Fittipaldi, ambos pilotos da Prema Powerteam, uma das equipes mais fortes das categorias de base.

O bom desempenho fez com que o Gran Turismo renovasse o seu patrocínio. Ele foi confirmado para a disputa da edição de 2020 da Toyota Racing Series. O certame, que acontece durante cinco finais de semanas seguidos na Nova Zelândia, é um conhecido celeiro de talentos. A TRS já teve como campeões Lance Stroll e Lando Norris, ambos pilotos da Fórmula 1 hoje em dia.

Igor desembarcou na terra dos kiwis sem figurar como favorito ao título. A imprensa especializada destacava o neozelandês e atual campeão Liam Lawson (piloto da academia da Red Bull), o japonês Yuki Tsunoda (piloto da academia da Honda e Red Bull) e o brasileiro Caio Collet (piloto da academia da Renault) como nomes a serem observados atentamente. Só que Fraga ignorou tudo isso, foi ao pódio 9 vezes, venceu 4 corridas, e sagrou-se campeão da categoria.

O que vem pela frente?

Com resultados surpreendentes e que contam com a ajuda do virtual, Igor tem crescido no automobilismo real. O próximo desafio do piloto será a temporada completa da Fórmula 3 Europeia, pela Charouz Racing System.

Com o terceiro lugar na Fórmula Regional e o título da TRS, Igor entra no campeonato com 25 pontos na carteira. Se terminar o ano em terceiro, Igor somará mais 15 tentos e alcançará os 40 pontos necessários para estar apto a ser contratado por uma equipe de Fórmula 1.

Leia mais:

Fittipaldi culpa Globo por falta de pilotos brasileiros na F-1: “Ela ganhou muito dinheiro e nunca investiu na base”

Após grave acidente, piloto está consciente e conversando com a família

Daniel Ricciardo pinta capacete de roxo em homenagem a Kobe Bryant