Flavio Pires: Torcedores visita favela de Paraisópolis e time do Palmeirinha

Clube localizado em Paraisópolis, Palmeirinha faz trabalho com categorias de base e formação de pessoas

Flavio Pires
Colaborador do Torcedores

A coluna desta semana foi visitar um lugar muito especial em São Paulo: a sede do Palmeirinha, clube de grande história dentro da favela de Paraisópolis e de destaque na Taça das Favelas (no ano passado, o time feminino jogou a decisão no Pacaembu e ficou com o vice).

No encontro, falamos também com outros personagens e sobre alguns projetos esportivos do local além do futebol. Espero que gostem das histórias (veja no vídeo acima).

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Durante a ida à comunidade, o blog conversou com Chiquinho, fundador e presidente do Palmeirinha e morador da favela há 52 anos. Dentre os assuntos, ele detalhou como é o trabalho com cerca de 80 garotos e garotas — há times dos 10 aos 17 anos.

“Se não tiver nota boa, não vai jogar o campeonato. A gente cobra muito isso. Meu filho às vezes até chegou a ir ao colégio de alguns meninos para ver se estavam indo, as notas. A gente cobra bastante”, comentou Chiquinho.

“Eu falo para a molecada aqui. Nem todo mundo vai ser atleta. É o que passo para todos aqui. Se a gente não conseguir formar um atleta, vamos formar um cidadão. Isso que é legal”, acrescentou o presidente.

Veja o conteúdo em vídeo que tem depoimento de jogadores (das equipes masculina e feminina) do clube.

Tênis também agita a favela aos domingos

Para quem acha que tênis é esporte elitista, tem um projeto dentro de Paraisópolis disposto a acabar com este rótulo desde 2017. Rogério Da Hora é o responsável pelo trabalho, depois que a Bovespa parou de investir no esporte dentro do local.

“Antigamente tinha um projeto de tênis que a Bovespa patrocinada, só que acabou em 2016. Aí tinha um pessoal que fechada a rua para a criançada brincar, e veio a ideia. Consegui R$ 400, comprei uma rede para criança, e com amigos consegui raquetes e bolinhas. Pessoal do tênis é muito bom. Assim fui para frente e seguimos nessa caminhada até hoje”, contou, destacando que as aulas acontecem aos domingos, geralmente para crianças de 6 a 15 anos.

Chip de celular e verba para esporte e causas sociais

Dentro de Paraisópolis também tem o chip de celular da comunidade. O projeto consegue, hoje, destinar uma verba para o esporte — dentre os beneficiados está o Palmeirinha. O mesmo acontece para atividades culturais: são mais de dois mil chips vendidos dentro da comunidade.

“É a primeira comunidade [Paraisópolis] a ter sua própria operadora de celular”, disse Alex, um dos criadores da iniciativa. “Eu não quero questionar o que as grandes empresas fazem, ou deixam de fazer, mas poderiam olhar mais para o lado social das comunidades. É isso que estamos mostrando, dando um incentivo. Dá para colaborar”, destacou, salientando a importância do esporte na juventude.

Mais sobre as histórias da favela de Paraisópolis você encontra no vídeo do Torcedores.com no canal do YouTube. Acesse clicando aqui.

Leia mais:

Caso Ronaldinho: há abuso de autoridade e oportunismo por parte dos paraguaios

Torcedor acompanhou o Santos em 354 jogos seguidos. Conheça o recordista

Alê Oliveira revela maior entrevista que já fez e histórias inéditas