Há 27 anos, Serginho Chulapa marcava seu último gol como profissional

Ídolo de duas grandes torcidas, o ex-centroavante anotou seu último gol jogando pelo São Caetano

Adriano Oliveira
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Reprodução/ Facebook Ad São Caetano

Ídolo dos torcedores de São Paulo e Santos, Sergio Bernardino, mais conhecido por Serginho Chulapa, balançou as redes pela última vez em sua carreira profissional há exatamente 27 anos, no dia 31 de março de 1993, no empate em 1 x 1 entre São Caetano e Ferroviária, pelo Campeonato Paulista.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Cartão de crédito sem anuidade? Abra sua conta Meu BMG agora!

O duelo foi disputado no estádio Anacleto Campanella e os donos da casa foram surpreendidos aos 38 minutos do primeiro tempo com gol de Romildo para a Ferroviária. Porém, seis minutos depois, Serginho Chulapa igualou o marcador.

O ex-atacante começou a carreira nas categorias de base do São Paulo e logo chegou aos profissionais.  No Morumbi, foi campeão paulista em 1975, 1980 e 1981, além de campeão brasileiro em 1977. O ótimo desempenho com a camisa tricolor o levou para a seleção brasileira, onde foi titular na Copa do Mundo da Espanha em 1982. Neste mesmo ano, alcançou a marca de 242 gols pelo São Paulo, sendo até hoje o maior goleador da história do clube.

No ano seguinte, Chulapa se transferiu para o Santos e foi vice-campeão brasileiro, terminando a temporada como artilheiro da competição nacional e também do Campeonato Paulista. Em 1984, conquistou o título estadual pelo time da Vila Belmiro, marcando o gol da vitória por 1 x 0 na final contra o Corinthians.

Serginho entrou em campo 202 vezes vestindo a camisa do Santos e marcou 104 gols, o terceiro maior artilheiro do time depois da chamada “Era Pelé”. Também foi treinador do Peixe na temporada de 1994 e até hoje faz parte da comissão técnica fixa do clube.

O jogador decidiu deixar os gramados aos 40 anos e, além de São Paulo, Santos e seleção brasileira, também atuou por Marília, Corinthians, Portuguesa Santista, São Caetano e Atlético Sorocaba. Na Europa, defendeu as cores do Marítimo, de Portugal, e do Malatyaspor, da Turquia.

Pelo São Caetano jogou por três temporadas e fez 38 gols, o quarto maior goleador da história do clube do ABC paulista, além de ter sido um dos principais destaques na campanha do acesso na divisão intermediária do Paulistão de 1992, assinalando oito dos 11 gols do Azulão na fase decisiva do torneio.

LEIA MAIS

Hernanes pede calma em meio à pandemia do covid-19 e alerta: “O inimigo está lá fora”

Santos não era alvinegro quando foi fundado. Cores foram adotadas um ano depois; entenda

Você conhece tudo sobre a carreira do Pelé? Faça o teste!