Clube sensação do Paulistão teme pelo futuro de torneio e vê cenário de incertezas: “Planejamento não está acontecendo”

Santo André lidera Paulistão 2020 com 19 pontos e tem planejamento paralisado por conta da pandemia do novo coronavírus; atletas, que possuem contrato até abril, não sabem se vínculo será renovado e aguardam definição da FPF para definirem próximos passos

Márcio Donizete
Jornalista desde 2012, com passagens pelos jornais ABCD Maior e Diário do Grande ABC, além do canal NET Cidade de TV. Foi repórter colaborador, líder de colaboradores e editor no Torcedores.com. Apresenta o Lente Esportiva ABC em lives no Facebook e Youtube.

Crédito: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Com 19 pontos e dono da melhor campanha geral do Paulistão 2020, o Santo André é o grande destaque da competição até aqui. Porém, toda essa campanha está ameaçada por conta da paralisação do futebol brasileiro para controle da pandemia global do novo coronavírus. O motivo? Os contratos dos jogadores, comissão técnica e até diretoria terminam neste mês.

Cartão de crédito sem anuidade? Abra sua conta Meu BMG agora!

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

O clube, assim como outros do interior que disputam o Campeonato Paulista, não sabe ainda o que fazer. A FPF (Federação Paulista de Futebol) se reúne com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) com constância para buscar soluções para a sequência dos Estaduais. Para o gerente de futebol do Ramalhão, Edgard Montemor Filho, o time defende a sequência da competição, desde que não hajam condições de desfavorecimento.

“O Santo André aguarda parecer da Federação Paulista de Futebol quanto ao retorno ou não da competição. Desde o início, a nossa posição é por terminar (concluir) o campeonato, não defendemos o fim da competição. O Santo André defende que o Paulistão retorne, desde de uma maneira e prazo que seja possível o Santo André possa participar dela”, afirma Edgard ao Torcedores.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

“Atualmente não temos uma posição concreta do que vai acontecer. Se a competição retorna ou não, se ela retornar, quando vai acontecer. Os esforços são de tentar terminar os Estaduais desde que a gente respeite o problema de saúde pública em que o País se encontra”, complementa o gerente de futebol, que entende o atual panorama da saúde pública quanto à gravidade da Covid-19.

Planejamento paralisado e estádio como hospital de campanha

Sem uma definição vindo da entidade máxima do futebol paulista, o planejamento do Santo André está parado, tornando-se inviável qualquer tipo de conversa sobre renovação de contrato com o elenco. Edgard reconhece que uma posição oficial da federação não deve sair tão cedo, visto que o estádio onde a equipe manda seus jogos, o Bruno José Daniel, transformou-se em um hospital de campanha contra o novo coronavírus.

“É complicado o Santo André falar em renovação dos atletas visto que a gente não tem um panorama objetivo do que vai acontecer, então é impossível sentar e conversar com os atletas sobre renovação, pois não sabemos o prazo que seria essa prorrogação, quando que o campeonato seria retomado. as conversas estão paradas, o planejamento não está acontecendo”, conta.

“O fato de estar sendo construído um hospital de campanha hoje no Bruno José Daniel é mais um fator que demonstra que a competição demore um pouco mais para retomar. A reação nossa em relação ao uso do estádio é que a medida extremamente válida. Hoje o que é mais importante é a vida das pessoas, a gente se conscientizar que precisa ficar em casa e cumprir a quarentena orientada pelo Ministério da Saúde, evitar aglomerações, e a prefeitura, dentro de seu papel, criar mais leitos para cuidar de possíveis casos de contaminação. É uma ótima ideia e a coisa mais importante a ser feita, mesmo”, completa o dirigente ramalhino.

O Brunão é pertencente à Prefeitura de Santo André, que construiu no local, onde os jogadores normalmente são os protagonistas, um hospital provisório de campanha para receber pacientes da Covid-19, que serão cuidados por outros protagonistas: os médicos e os enfermeiros. O clube em nenhum momento contestou a decisão e cedeu facilmente o palco de suas partidas para um bem maior.

Paulistão: como o Santo André mantém a forma

Edgard Montemor Filho explicou como que o elenco trabalha durante a pandemia. “Todo mundo em casa. Jogadores, comissão técnica, todos os setores da economia não-essenciais vivem esse momento de incerteza, com toda razão. os Jogadores treinam em casa e seguindo o protocolo de atividades passado pela comissão técnica”, explica o cartola do Santo André.

“Claro que há preocupação e incertezas ao futuro do futebol paulista e também brasileiro, em relação a contratos, que terminam em abril. Mas isso foge do nosso controle, o jeito é aguardar”, finaliza Edgard, que, assim como toda a agremiação, apenas espera o desfecho dos encontros entre FPF e CBF para discussão do futuro do futebol brasileiro, seja no âmbito estadual, ou no nacional.

VEJA MAIS
Dono da melhor campanha do Paulistão, Santo André pode não ter boa parte do elenco após parada
Atacante do Santo André se diz “orgulhoso” por liderança geral do Paulistão e ressalta necessidade de paralisação
Presidente do Santo André, sobre a paralisação: ” Se derem o título para o time de melhor campanha eu não vou reclamar”