Palmeiras: relembre cinco meias que passaram pelo Verdão na última década e não deixaram saudade

Verdão chegou a investir cifras milionárias em algumas peças, mas acabou se frustrando

Cido Vieira
Jornalista em formação, e apaixonado por futebol desde criança. No Torcedores.com, trabalho como setorista do Botafogo e futebol nordestino

Crédito: Divulgação - Palmeiras

Nos últimos anos, o Palmeiras encontrou uma expressiva dificuldade em acertar contratações para o setor de meio-campo. Muitos atletas renomados e outros que vinham em alta chegaram com grande expectativa ao clube, mas não corresponderam. Fizemos uma lista com cinco nomes que decepcionaram no Verdão. Entre eles está o aniversariante do dia, o meia Pedro Carmona.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva! Siga o Torcedores também no Instagram

PEDRO CARMONA

Embora o Palmeiras tenha se esforçado para brigar por sua contratação, o meia Pedro Carmona não evoluiu e ficou aquém das expectativas. Três meses depois de receber um reajuste salarial, o jogador pediu sua liberação e acertou com o São Caetano, deixando assim o alviverde pela portas do fundo, com apenas 12 jogos realizados e um tento marcado no clube. O atleta alegou a falta de oportunidades para consolidar sua saída.

BRUNO CÉSAR

Principal contratação do Palmeiras para o ano do centenário, o meia Bruno César foi outro que esteve longe de empolgar e teve um trajetória curta no clube. Foram apenas 20 jogos realizados e dois tentos marcados. A exemplo de Daniel Carvalho, ele também teve “problemas” com a balança.

DANIEL CARVALHO

Contratado no início de 2012 pelo Verdão, o meio-campista sofreu muito com as críticas pelo peso elevado e não conseguiu desempenhar um futebol anteriormente apresentado no Internacional, CSKA e Atlético-MG. Apesar da conquista da Copa do Brasil daquele ano, Daniel estava presente no descenso do clube paulista para a Série B, e fez parte da “barca” que foi desligada da equipe na virada para 2013. Na sequência, o jogador resolveu mudar de ares e criou um time de futsal em Pelotas. Posteriormente, voltou ao futebol com a camisa do próprio Pelotas.

ALEJANDRO GUERRA

Contrato praticamente de forma simultânea com Miguel Borja, o meia venezuelano Alejandro Guerra ficou longe de apresentar um futebol convincente que despertou todo o interesse do Palmeiras. O clube paulista desembolsou R$ 10 milhões para efetuar a contratação do jogador junto ao Atlético Nacional, do Colômbia, após ele ter brilhado na campanha da Libertadores.

Sem regularidade, o atleta foi perdendo espaço e acabou sendo emprestado ao Bahia no ano passado, e dificilmente deve ser aproveitado no alviverde novamente.

MICHEL BASTOS

Dono de uma bagagem vasta no futebol e versátil para poder atuar na lateral e também no meio-campo, Michel Bastos desembarcou no Verdão em 2017 sob boas expectativas do torcedor palestrino, que estava disposto a “esquecer” a passagem dele pelo arquirrival São Paulo. Instável, o jogador não empolgou e recebeu inúmeras críticas. Emprestado ao Sport, o experiente jogador deixou o Verdão com 43 jogos e apenas dois gols marcados. Em 2019, ele oficializou a sua aposentadoria dos gramados aos 36 anos.

LEIA MAIS:

Você lembra como estava o Palmeiras antes da paralisação?