Moisés coloca Palmeiras como ‘exemplo a ser seguido’ durante a pandemia e critica postura do Santos

Moisés citou o caso do Santos, que pagou apenas 30% dos salários dos jogadores, quando o acordo, na verdade, era para que os atletas recebessem 70%

Danielle Barbosa
Colaborador do Torcedores

Crédito: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

O meia Moisés, ex-jogador do Palmeiras e atualmente no Shandong Luneng, da China, participou do programa ‘Jogo Aberto’ nesta sexta-feira (15), e exaltou a postura do clube alviverde durante a pandemia e aproveitou para criticar a forma como o Santos optou por conduzir a situação da redução salarial dos atletas.

Cartão de crédito sem anuidade? Abra sua conta Meu BMG agora!

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

“Eu acredito que não poderia ser uma coisa imposta. Teria que ser de clube para clube, diretoria conversando com seus jogadores para chegar a um meio-termo. Eu acredito que tinha que haver isso (redução de salários), não tinha outra forma. Eu gostei muito da forma que o Palmeiras lidou, reduzindo o salário, mas garantindo a permanência dos funcionários. O Palmeiras, para mim, foi um exemplo bem legal a ser seguido”, disse Moisés.

“O que não pode é fazer como o Santos e querer cortar 70% do rendimento do atleta. Acho que isso é um absurdo, primeiro, porque é uma porcentagem muito alta e, segundo, sem um diálogo para que isso acontecesse”, acrescentou.

O jogador ainda admitiu que a situação do Brasil é preocupante. “No Brasil, a gente não tem essa confiança. A gente vê situações acontecendo que nos deixa triste. Sendo bem sincero, claro que todos vão sofrer, mas a classe inferior, aqueles mais pobres, são os que mais irão sofrer, porque não têm aquele recurso imediato, e a gente não vê solução para isso, infelizmente”.

RETORNO DO FUTEBOL NA CHINA:

— Quando eu cheguei, eu passei por um período de quarentena. Você é testado constantemente. A partir do momento que você está liberado, você retorna para a sua casa e passa a ter a vida normal. Como toda a população da China passou por esse procedimento, eles têm a certeza de que quem está na rua está livre na rua. A partir do momento que eu voltei para o clube, os treinamentos são normais, como antes da pandemia. A única que não estamos tendo são os jogos oficiais.

— Eles têm muito cuidado aqui. A China conseguiu se recuperar rapidamente porque o que é imposto, todos têm que seguir. Não tem meio-termo. Quando anunciou a quarentena aqui, ninguém apareceu na rua. Por ser um país tão severo quanto às punições, as pessoas seguiram 100% o que foi pedido e, por isso, se recuperaram tão rápido.

LEIA MAIS:
Interesse em Hulk, proposta por Veron e divida por Borja: Galiotte abre o jogo sobre o Palmeiras
Luxemburgo evita falar sobre política e prega cautela com o retorno do futebol: “Momento é de saúde”
Galiotte faz alerta sobre retorno do futebol e agradece a Crefisa por pagamento em dia: “É uma parceria forte”