Perea lembra noite mágica pelo Grêmio, diz que queria ficar “muito tempo” e discorda de Souza sobre Roth: “Culpa do vice é de todos”

Torcedores.com publica entrevista exclusiva com o ex-atacante gremista Edixon Perea

Eduardo Caspary
Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Crédito: Foto: Lancepress/Arquivo/GE.com

Foi com um gol de Edixon Perea que o Grêmio bateu o São Paulo por 1×0 na abertura do returno do Brasileirão de 2008, no Olímpico, ampliando a vantagem que chegou a ser de 11 pontos sobre os paulistas na liderança. Enfim, um time conseguiria interromper a sequência vencedora do tricolor do Morumbi que, com Muricy Ramalho, havia assegurando a taça nos dois anos anteriores.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

Mas a equipe gremista perdeu força, tropeçou quando não deveria e viu o São Paulo faturar o tricampeonato na última rodada, algo classificado como “golpe duro” pelo próprio Perea, personagem da entrevista exclusiva desta segunda-feira no Torcedores.com.

Acompanhe as notícias do seu time pelo Facebook

De quem foi a culpa de um vice-campeonato inesperado, dada a vantagem na liderança? O meia Souza, em entrevista recente à Rádio Atlântida, apontou a “teimosia” de Celso Roth como o principal fator pelo 2° lugar. Perea, prudente e mais político, discorda do ex-companheiro e prefere responsabilizar a todos, evitando criticar o treinador da época.

Aposentado desde 2016, quando deixou o América de Cali após uma grave pneumonia, Perea se divertiu ao relembrar a passagem por um clube onde as lembranças são “as melhores possíveis”. O fatídico campeonato de 2008 é pano de fundo para a entrevista, que ainda traz a lembrança da noite mágica do 7×1 fora de contra o Figueirense – quando fez três gols e deu uma assistência -, além do desejo expresso de ter ficado mais tempo no clube; em 2010, foi jogar no Las Palmas da Espanha.

Torcedores.com: Quando você lembra do Grêmio e do seu período em Porto Alegre, quais as melhores lembranças?

Perea: São as melhores lembranças, porque acho que foi a minha melhor experiência fora do meu país. Dentro de toda a minha carreira, essa foi a melhor experiência. A cidade, as pessoas gaúchas, especialmente as pessoas que naquela época estavam no clube. Então acho que quando a gente tem uma experiência boa, a gente sempre lembra da melhor maneira. Para mim, ter jogado no Grêmio foi uma das melhores experiências da minha carreira.

T:  Em 2008, o Grêmio chegou a abrir 11 pontos de vantagem para o São Paulo na liderança do Brasileirão, mas perdeu o título. O que você acha que aconteceu naquele momento?

P: Foi uma experiência muito difícil para nós naquele momento. Estávamos jogando muito bem e conseguimos abrir esses 11 pontos do São Paulo, que era um grande time e era o time que estava nos perseguindo. Não conseguimos manter tudo aquilo que vínhamos fazendo no primeiro turno durante o segundo, infelizmente. Vacilamos um pouco e terminamos perdendo aquele campeonato. Para nós, foi muito difícil. Foi um golpe muito duro para nós jogadores e para todo o torcedor gremista.

T: Recentemente, o seu ex-colega Souza colocou a culpa da perda do título do Brasileirão de 2008 na “teimosia” do técnico Celso Roth. Você concorda? O técnico Celso Roth teve responsabilidades?

P: É uma pergunta difícil para mim. Eu apenas gostaria de dizer que o nosso time começou muito bem o torneio, correndo, lutando, sacrificando muito. Depois acho que… bom, o Brasileirão é muito, mas muito longo, sabe? Então, acho que nenhum time no mundo conseguiria manter o mesmo ritmo futebolisticamente falando. Aconteceu que a gente não conseguiu manter esse ritmo inicial, que mostramos no primeiro turno. E até uma parte do segundo. Mas penso que não adianta falar que o culpado foi o Celso Roth. Acho que a culpa vai para todos. Todos nós treinávamos bem, tentávamos fazer tudo que o treinador pedia. Não vejo Roth culpado. Culpados somos todos nós que não conseguimos manter o ritmo para ganhar aquele Brasileirão.

T: O seu melhor jogo foi aquele que você fez 3 gols contra o Figueirense? Que lembranças tem daquela noite?

P: Acho que um dos melhores jogos que fiz com o Grêmio, com certeza. Conseguimos ganhar de 7×1 em cima do Figueirense. Fiz três, dei passe para os companheiros. Mas acho que fiz outros jogos bons também. Claro que esse se destaca mais pelo fato de eu ter feito três gols. O time jogou muito bem. Não é fácil fazer sete gols fora de casa.

T: Você tinha vontade de ficar mais tempo no Grêmio? Por que acabou saindo do clube para jogar no Las Palmas em 2010?

P: Olha, cara. Sim. Sim, eu tinha muita vontade. Vontade mesmo de ficar. Se fosse por mim, eu teria ficado por muito tempo. Só que quando não vem os resultados a diretoria toma as decisões. Infelizmente, tive que sair do clube. Mas repito que, se fosse por mim, eu teria ficado muitos anos no clube. Eu sentia muito carinho pelo clube e a torcida também gostava muito de mim. Quando tem uma sintonia dessas no futebol, a gente sempre vai querer ficar em um lugar assim.

T: Sente saudades da torcida gremista?

P: Uma torcida apaixonada. Uma torcida que sempre vai com o desejo de ver o time ganhar. Dentro da minha carreira, teve duas torcidas que para mim são as duas melhores. A torcida do Atlético Nacional, do meu país, e a do Grêmio. São apaixonadas pelo time – ouça a declaração sobre a torcida:

MAIS – Relembre outras exclusivas do autor com ex-jogadores do Grêmio

– Pedro Júnior: Pedro Júnior queria mais chances e diz que gol histórico no Beira-Rio foi treinado: “Ninguém acreditava no nosso time”

– Carlos Eduardo: Em busca de clube, Carlos Eduardo guarda tricolor no coração e se encanta ao falar da torcida: “Cada jogo no Olímpico era um show”

– Jeovânio: De casa em Porto Alegre, Jeovânio sofreu com a Batalha dos Aflitos e não queria deixar o Olímpico: “Fiz de tudo pra ficar”

– Claudiomiro: Ex-zagueiro revive período no tricolor e não esquece trauma contra o Olímpia: “Marcou”

Siga o autor:

No YouTube

No Instagram