De casa em Porto Alegre, Jeovânio sofreu com a Batalha dos Aflitos e não queria sair do Grêmio: “Fiz de tudo pra ficar”

Reportagem do Torcedores.com publica entrevista com o ex-volante do Grêmio, Jeovânio

Eduardo Caspary
Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Crédito: Foto: Reprodução/Instagram

Sábado, 26 de novembro de 2005. Recife, Pernambuco. Sob um sol escaldante e um cenário hostil desde o hotel até o estádio, o Grêmio parte em uma das missões mais emblemáticas de toda a sua história. Necessitava, pela frente, de um simples empate diante do Náutico para retornar à Série A do futebol brasileiro e enterrar de vez o pesadelo da segunda divisão.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Sábado, 26 de novembro de 2005. Porto Alegre, Rio de Grande do Sul. Do sofá da sala de casa, Jeovânio conta as horas para o início do jogo e sofre em quantidade redobrada por estar distante. Titular durante quase toda a campanha, o volante gremista sequer viajou por conta de um entorse no tornozelo sofrida antes de uma partida contra o Santa Cruz. E, assim, muitos quilômetros o separavam de onde queria estar.

Acompanhe as notícias do seu time pelo Facebook

A palavra que o ex-jogador utiliza para resumir o sentimento da fatídica tarde de 15 anos atrás é uma só: angústia. Assim, ao Torcedores.com, ele detalhou o sofrimento que foi acompanhar de longe a épica vitória gremista por 1×0 com direito a dois pênaltis contra e quatro homens expulsos.

“Bom, eu acabei ficando de fora daquele incrível jogo por ter sofrido uma lesão no tornozelo no treino antes de um partida contra o Santa Cruz semanas antes. Acompanhei aquela partida em casa mesmo, em Porto Alegre. Lembro que naquele dia foi muito, mas muito difícil e também angustiante sem poder ajudar os meus companheiros. Mas, graças a Deus, deu tudo certo e fomos campeões na famosa Batalha dos Aflitos”, explicou.

Jeovânio em ação marcando o colorado Iarley no título gaúcho de 2006 – Foto: Arquivo/RBS

Sem Jeovânio, o então técnico gremista Mano Menezes recorreu na cabeça de área a Nunes, que foi um dos expulsos em meio à confusão após o segundo pênalti dado aos pernambucanos. Em seguida ao milagre de Galatto, Anderson fez o gol da redenção – e alívio – gremista.

Passagem marcante e tristeza pela saída

Foram apenas dois anos de clube, mas tempo suficiente para formar um novo torcedor gremista. Jeovânio, hoje, é mais um dos tantos tricolores que só querem o bem do time. Ao caracterizar como “ótima” a sua passagem pelo Grêmio, ele lembra, por exemplo, o surpreendente 3° lugar no Brasileirão de 2006, que gerou vaga direta à Libertadores do ano seguinte – da qual a equipe, já sem ele, seria vice diante do Boca Juniors.

“A minha passagem pelo Grêmio eu considero ótima. Tive em 2005 um acesso de volta à primeira divisão e logo no ano de 2006 fomos campeões gaúchos sobre Inter. Depois, buscamos uma classificação para a Libertadores com uma ótima campanha no Brasileirão terminado em 3° lugar. Então, considero que foi muito boa. Sou, sim, hoje em dia um torcedor do Grêmio por tudo que o clube e a torcida me proporcionaram”.

O vice da Libertadores de 2007, aliás, foi visto por Jeovânio da mesma forma que ele acompanhou a Batalha dos Aflitos: pela TV. Desta vez, não por causa de lesão no tornozelo ou qualquer coisa do gênero. No final de 2006, muito embora todo o seu desejo de seguir em Porto Alegre, o Grêmio não acertou a permanência junto ao Figueirense – clube que detinha o passe do jogador. E os catarinenses, claro, toparam a proposta do Valenciennes, da França.

“Eu queria muito ficar no Grêmio naquela época e seguir com o grupo em 2007. Conversei com Mano (Menezes, treinador na ocasião) e com o presidente. E ainda falei com os diretores do Figueirense, mas o grande problema foi que o Grêmio não tinha condições financeiras, estava sem dinheiro para investir. Eu fiz de tudo para permanecer no Grêmio, mas acabou acontecendo de ir pra França”, lamentou.

Frustração por racismo e elogios a Renato Portaluppi: “Ele é fera”

Apesar de admitir que errou em entrevistas posteriores, Antônio Carlos Zago jamais ligou para Jeovânio se desculpando pelo ato de racismo em um duelo entre Juventude x Grêmio, no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, pelo Gauchão de 2006. Após uma discussão normal de jogo, o ex-zagueiro fez um gesto apontando a cor da pele no braço – depois, sem convencer, justificou que estava “limpando um pouco de sangue”.

Gesto de Zago causou muita polêmica em 2006 – Foto: Reprodução/RBSTV

Jeovânio, evidentemente, guarda o episódio com frustração e lamenta nunca ter recebido uma ligação do oponente.

“Sobre o racismo… muitos me perguntam se o Antônio Carlos me procurou. Eu falo mesmo. Nunca recebi uma ligação dele depois disso. Mas é passado”.

No Grêmio, o único treinador do ex-atleta foi Mano Menezes. Mas ele deixa bem claro que também gostaria de ter sido comandado pelo “fera” Renato Portaluppi, no clube desde setembro de 2016 e principal condutor ao retorno dos grandes títulos, como a Copa do Brasil de 2016 e a Libertadores de 2017.

“O Renato é um grande administrador de grupos. Ele sabe o vocabulário do dia a dia dos jogadores, sabe como lidar com cada um e por isso que ele sempre tira o melhor de cada um. Dá pra ver também que ele sabe falar com os mais jovens. Isso é bom para o time ter a confiança do treinador e o treinador ter a confiança do grupo. Quando você tem um treinador que luta por você, fica mais fácil. Por isso cada jogador abraça a causa e se vê isso no Grêmio. Por isso que o Grêmio hoje e o que é. O Renato amadureceu como treinador e administrador de grupo. Ele é fera. Sou fã da forma que ele trabalha”, encerrou o ex-volante.

Relembre outras exclusivas do autor com ex-jogadores do Grêmio

– Pedro Júnior: Pedro Júnior queria mais chances no Grêmio e diz que gol histórico no Beira-Rio foi treinado: “Ninguém acreditava no nosso time”

– Claudiomiro: Ex-zagueiro revive período no Grêmio e não esquece trauma contra o Olímpia: “Marcou”

– Anderson Lima: Autor de gol do Grêmio no Monumental de Nuñez demonstra otimismo no time atual: “Está preparado”

– Adilson: Adilson revê Grêmio e relembra pressão com Inter em alta: “Hoje as coisas mudaram”

– Galatto: Herói do Grêmio em 2005, Galatto troca o futebol pelo comércio e aguarda o tri: “Torço muito”

LEIA MAIS:

Barrios revela que recusou proposta do Inter após conquistar a Libertadores de 2017: “Eu respeito o Grêmio”

Lucas Leiva coloca a família para rever a Batalha dos Aflitos e vibra com defesa de Galatto: “Vamos Grêmio”

Bolzan desfaz mito sobre Renato, chama jogador do elenco de “craque” e fala até de Walter

Siga o autor:

No YouTube

No Instagram