Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Dia da imigração japonesa: Sete jogadores japoneses que atuaram no Brasil

Brasil já recebeu jogadores nipônicos desde aqueles que se tornaram profissionais por aqui até nomes conhecidos mundialmente, como Keysuke Honda

Didé Fontana
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Foto: divulgação

O dia 18 de junho é marcado na relação entre Brasil-Japão como o dia da imigração japonesa no país, iniciada nesta data, em 1918. Na ocasião, o Brasil precisava de mão-de-obra para as fazendas de café, e o Japão precisava aliviar a tensão social com o alto índice demográfico do país. Tudo começou no porto de Santos, com a chegada do navio Kasato Maru, trazendo os primeiros 781 imigrantes ao país.

No Futebol brasileiro, houve chegada de atletas japoneses para defender equipes brasileiras, desde Kazu Miura, que se profissionalizou por aqui até a recente contratação de Keisuke Honda, no Botafogo:

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

Nipônicos no Brasil

 Kazu Miura

Ele tinha apenas 15 anos quando desembarcou ao Brasil na década de 80 e joga até os dias atuais, com 53 anos. Miura é o jogador de Futebol mais velho a atuar profissionalmente. Hoje ele joga no Yokohama FC, clube da J-League (primeira divisão do Japão).

Kazu Miura iniciou a carreira profissional no Juventus – SP. No Brasil atuou em equipes como Santos, Palmeiras, CRB, Coritiba, Matsubara e XV de Jaú. O japonês conquistou no Brasil, o Campeonato Alagoano em 1987 e o Paranaense em 1989, pelo CRB e Coritiba, respectivamente. em Em 1991, arrumou as malas e voltou para a terra natal, para jogar no Futebol japonês.

Pela seleção japonesa, o atacante disputou 89 partidas e marcou 55 gols, além de ter conquistado a Copa da Ásia, em 1992.

Keisuke Honda

Um dos principais jogadores japoneses da atualidade, Honda chegou ao Botafogo no início do ano. O meia acumulou passagens pelo Futebol europeu em equipes como Milan, CSKA Moskva e Vitesse da Holanda, onde jogou por último.

O experiente meia já acumulou 98 jogos pela seleção, marcando 37 gols. Pela seleção, disputou três edições da Copa do Mundo ( 2010, 2014 e 2018), duas da Copa da Ásia (2011 e 2015) e uma Olimpíada (2008).

Musashi Mizushima

Assim como Kazu Miura, o japonês também se profissionalizou no Brasil, mas no São Paulo. Pelo tricolor paulista, atuou pouco, e foi emprestado a equipes como Portuguesa e São Bento. Em 1988 encerrou sua trajetória no Brasil, rumando de volta ao Japão, para atuar no Futebol local. Atualmente, o ex-zagueiro atua como técnico de Futebol, aos 55 anos.

Masakiyo Maezono

Além de Kazu Miura, outro nipônico vestiu a camisa do Santos, Masakiyo Maezono.  Diferente de Musashi e Kazu, Masakiyo veio para o Brasil já como profissional, após ter atuado por algumas temporadas no Japão. No Santos, o meia atuou em 1998, depois foi para o Goiás e Bahia.

No ano 2000, voltou para a Ásia, atuando por equipes japonesas e sul-coreanas. Masakiyo também defendeu a seleção japonesa nas Olimpíadas de 1996 e Copa da Ásia de 1996.

 Daiju Sasaki

O meia japonês de 20 anos jogou por duas temporadas no Palmeiras (2018 e 2019). O jogador veio ao Brasil emprestado pelo Vissel Kobe, para atuar nas categorias de base do clube alviverde. Atualmente, o jovem de 20 anos voltou ao seu clube de origem após período de empréstimo.

Kota Ogino e Takuya Shimamura

Kota Ogino é volante e tem 23 anos enquanto Takuya Shimamura é atacante, com 19 anos. Os dois vieram para o Brasil em 2019 para reforçar o Londrina, em um empréstimo junto ao Kyoto Sanga.

Após serem pouco aproveitados, os atletas voltaram para o Japão. Takuya Shimamura está emprestado no Cerezo Osaka enquanto Kota Ogino está no Veertien Mie, do Japão, também emprestado.

Bônus ( Oliver Tsubasa/ personagem)

Nem só da vida real o Brasil recebeu jogadores japoneses, como também na ficção. Oliver Tsubasa é o personagem principal do anime e mangá (desenho animado e quadrinho japonês, respectivamente) Super Campeões, que fez sucesso no Brasil nos anos 90 e 2000.

O anime foi criado para promover o Futebol no Japão, e tem o Brasil como referência, principalmente com o personagem fictício Roberto Hongo, ídolo da seleção brasileira, que se torna mentor de Tsubasa. Na história, Tsubasa se torna jogador profissional no Brasil, depois de ser campeão no colegial do Japão e do mundial de juniores do Japão.

Em uma versão antiga do anime, Tsubasa se torna jogador profissional pelo São Paulo e se consagra como campeão brasileiro. Já em uma versão mais recente, intitulada de Road To 2002, Tsubasa joga no clube fictício Brancos e também conquista o Campeonato Brasileiro.

“Penso que iria continuar mesmo se tivesse a Olimpíada”, diz empresário de Honda sobre renovação com o Botafogo

5 brasileiros que são ídolos no Japão e você não sabia

Veja 10 brasileiros que estão jogando no Japão e talvez você não saiba

As melhores notícias de esportes, direto para você