Lance “impossível” de Michael Jordan em finais faz aniversário

Bandeja acrobática contra showtime Lakers abriu caminho para a nova dinastia de Chicago na NBA

Alexandre Victor Lima Serafim
Fascinado por esporte.

Durante a temporada 1990-91, Michael Jordan, pela primeira vez em sete temporadas na liga, alcançava o status de finalista da competição. A equipe do Chicago Bulls liderou a conferência leste com 61 vitórias. Além disso, o camisa 23 era o atual cestinha e detentor do prêmio de melhor jogador do campeonato (MVP). 

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

O adversário era a franquia do Los Angeles Lakers. Os comandados por Magic Johnson pretendiam repetir o sucesso da década anterior. Como resultado da experiência acumulada em finais, o time californiano conseguiu surpreender ao largar na frente na série final. Apesar dos 36 pontos, Jordan saiu derrotado pelo placar de 93-91. 

Lance acrobático

No entanto, a segunda partida foi dominada pela franquia de Illinois, dessa forma empatando a melhor de sete jogos. Apesar da diferença elástica de onze pontos, o destaque da partida ficou com a bandeja acrobática de Michael Jordan.

O lance foi protagonizado no último quarto da partida. A jogada ocorreu quando Michael, ao visualizar o caminho livre no garrafão, partiu em direção a cesta.

Coincidência ou não, Sam Perkins, ex-companheiro de Jordan na Universidade da Carolina do Norte, se colocou no caminho entre o ala e a cesta. Em um movimento icônico, Michael, durante o “voo”, troca a bola de mão, finalizando com uma bandeja de esquerda, ao invés de continuar o movimento com a mão direita. 

Em entrevista após o confronto, Magic Johnson tentou explicar a jogada do camisa 23 de Chicago. 

“Ao vir em direção a cesta, ele colocou a bola em uma mão, flutuou por uns três, quatro metros, e disse “Bom, talvez não’’, foi aí que ele mudou totalmente de direção e finalizou com a bandeja” Brincou Johnson. 

Seja como for, após a acrobacia histórica, a franquia de Chicago tomaria o controle da série, ganhando, consecutivamente, os próximos três confrontos por uma margem de mais de dez pontos. Encerrando a temporada com o primeiro título da história do Bulls na NBA.    

Eventualmente, ao final do confronto, Michael Jordan, com médias de 31.2 pontos, 11.4 assistências e 6.6 rebotes por jogo, seria o MVP da série final. Repetindo o triunfo em mais cinco oportunidades, todas com o Chicago Bulls.  

LEIA MAIS:

De individuais a coletivos: 10 recordes “inquebráveis” de Michael Jordan na NBA

A história por trás dos números 12 e 45 usados por Michael Jordan na NBA