Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Quem foi o “Artilheiro de Deus”, centroavante que brilhou no Grêmio e foi goleador na Espanha?

Jogador foi um dos grandes nomes da historia tricolor e brilhou na Espanha

Matheus Camargo
Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), colaborador do Torcedores.com desde 2016, radialista na Paiquerê 91,7.

Crédito: Baltazar campeão brasileiro pelo Grêmio (Divulgação/CBF)

Os torcedores do Grêmio da nova geração talvez não conheçam, mas os mais antigos não esquecem do “Artilheiro de Deus”, que brilhou no clube entre 1979 e 1982 e foi fundamental para a conquista do primeiro Brasileirão da história do Tricolor.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes
https://www.facebook.com/TorcedoresOficial

Baltazar foi revelado pelo Atlético-GO em 1977 e foi o primeiro a fazer parte de um movimento que ficou conhecido como “Atletas de Cristo”. Evangélico fervoroso, o centroavante dizia que “se não fez gols, foi porque Deus não quis”, o que gerou seu apelido que foi levado para toda a carreira.

Contratado pelo Grêmio aos 20 anos, brilhou logo na chegada, assumiu a titularidade e marcou 29 gols em 45 jogos logo em sua temporada de estreia.

Em 1980 o camisa 9 teve seu ano mágico e foi o atleta que mais chamou a atenção de todo o Brasil ao anotar 42 gols pelo Grêmio, o que chamou a atenção de vários clubes.

Em 1981, porém, Baltazar atingiu seu ápice. Mesmo com números abaixo em relação aos anos anteriores, o centroavante foi o nome da primeira conquista nacional do Grêmio, o Brasileirão, quando marcou um golaço sobre o São Paulo no jogo de ida, no Morumbi. Assista:

View this post on Instagram

VOCÊ CONHECE “O ARTILHEIRO DE DEUS”? Baltazar foi um dos maiores artilheiros do futebol brasileiro nos anos 80 e se tornou ídolo no Grêmio e no futebol espanhol, onde defendeu Celta e Atlético de Madrid. O centroavante brilhou no primeiro título brasileiro do tricolor gaúcho e marcou este GOLAÇO na final contra o São Paulo, no Morumbi, em 1981! O atacante recebeu o apelido de "O Artilheiro de Deus" após se declaramr fervorosamente evangélico, o que ia de encontro aos principais atletas de seu período. Logo, foi o primeiro jogador a ser reconhecido como "Atleta de Cristo". #gremio #baltazar #golaco #gol #goldogremio #gremiocampeao #artilheiro #deus #tricolor #futebol #soccer #football #brasileirao #atletadecristo #campeonatobrasileiro #morumbi

A post shared by Nostalgicos Futebol Clube (@nostalgicosfc) on

Após um primeiro semestre de 1982 abaixo do que foram os anos anteriores e a frustração de ter ficado de fora da Copa do Mundo do mesmo ano, assinou com o Palmeiras, onde manteve os bons números.

Passou ainda por Flamengo, onde conquistou o Brasileirão de 1983 e marcou 21 gols em 40 jogos, pelo Botafogo, e em 1985 assinou com o Celta, da Espanha.

Ajudou o modesto clube a se posicionar na primeira divisão da Espanha e em 1988 foi contratado pelo gigante Atlético de Madrid.

O ápice
Baltazar, após o Grêmio, teve seu auge no Atlético de Madrid, onde em seu primeiro ano surpreendeu e marcou 36 gols em 40 jogos. Foi o artilheiro de La Liga e quebrou um tabu de duas décadas, sendo apenas o segundo brasileiro a conseguir a honraria – o primeiro e único até então havia sido Waldo, pelo Valencia, em 1967.

O atacante,  “Artilheiro de Deus”, então foi lembrado pela Seleção Brasileira e disputou a Copa América de 1989, tendo conquistado seu único título pela equipe nacional.

Acima dos 30 anos, ficou fora da Copa de 1990 e rodou por Porto, Rennes, até voltar ao Brasil para defender o Goiás em 1994. Foi melhor que o esperado e, mesmo aos 35 anos, marcou 19 gols em 15 jogos pelo Esmeraldino.

Recebeu proposta irrecusável do futebol japonês e disputou seus dois anos de carreira pelo Kyoto Sanga, aposentando em 1996.

E agora?
Baltazar passou a se dedicar à Igreja após a aposentadoria e se tornou pastor evangélico. O ex-atacante se elegeu ainda presidente da Missão Atletas de Cristo do Brasil e é empresário de jogadores.

Leia mais:
Barbosa sofreu preconceito e carregou culpa por derrota em 1950 até o fim da vida: “não sou um criminoso”