Deyverson recorda passado em que trabalhou vendendo água na praia: “Eu não tinha nada”

Antes de se tornar jogador profissional, Deyverson passou por dificuldades na vida

Bruno Romão
23 anos, estudante de Jornalismo, amante da escrita, natural de Campina Grande (PB) e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Cesar Greco/Agência Palmeiras/Divulgação

Em entrevista ao “La Liga World”, Deyverson recordou seu passado humilde. Dessa forma, antes de se tornar atleta profissional, o atacante ex-Palmeiras trabalhou vendendo água, refrigerante e petiscos na praia. Sendo assim, os momentos de dificuldade fizeram o jogador do Alavés perseverar para ter sucesso, algo que foi recompensado alguns anos depois.

“Eu não tinha nada, trabalhava na praia vendendo água, refrigerante, petiscos… E eu não acreditava que teria forças para mudar aquela situação. Mas consegui tirar forças e passei a crer que se trabalhasse duro eu poderia transformar tudo isso. E foi a junção disso que me fez o jogador que sou hoje, um batalhador que sempre se lembra de quão difícil era na época em que não tinha nada. E eu consigo usar isso para seguir lutando”, declarou.

Além disso, Deyverson avaliou seu retorno ao Alavés. Fora dos planos do Palmeiras, ele optou por voltar ao time em que viveu bons momentos na Espanha, e ainda busca alcançar o status de titular na equipe.

Acompanhe as notícias do seu time do coração pelo Facebook

“Primeiro, meu agente me ligou e disse ‘Dey, tenho uma proposta do Alavés, o que você acha?’, e eu disse que tudo bem, eu já havia jogado no clube na temporada 2016/2017. Gostava muito daqui, conhecia bastante gente e tenho um grande carinho pelo Alavés. Até por isso, nem precisei pensar muito. Eu já havia sido feliz aqui, então poderia muito bem ser de novo”, completou.

Com a carência de centroavantes no elenco do Palmeiras, um regresso de Deyverson passou a ser especulado. No entanto, o cenário não se confirmou e o brasileiro deve cumprir o contrato de empréstimo até o final.

LEIA MAIS

Deyverson explica provocação ao Corinthians: “Um gol neles é como fazer 100”