Mário Gobbi vê “absurdo” no sub-23 do Corinthians e diz o que fará caso seja eleito

Elenco das categorias de base é um dos mais criticados no Corinthians por causa do grande número de jogadores contratados

Rafael Brayan
Apaixonado pelo estudo do esporte mais praticado no mundo.

Crédito: Getty Images

Um dos candidatos à presidência do Corinthians, Mário Gobbi comentou nesta quarta-feira (18) sobre o futuro da equipe sub-23. Em entrevista ao site Ge.com, o dirigente ressaltou que não pode fazer muita coisa por conta dos contratos em vigência.

“Não dá para acabar com ela. Existem 43 jogadores com contratos, contratos de três anos. Vamos ter que cumprir, o Corinthians firmou contrato. É um absurdo o que foi feito, com um ônus muito grande para o clube. O time está lá. Eu tenho que fazer uma cirurgia plástica para administrar 43 com contratos de três anos. Vou ter que administrar isso, não sei como vou fazer, mas a equipe técnica vai ver quem se aproveita, quem não se aproveita… Do jeito que o clube está hoje, manter 43 é um exagero, mas tem contrato, vamos ver o que fazer com isso”, disse Mário Gobbi.

Além disso, Mário Gobbi falou sobre a reforma no CT das categorias de base no Corinthians. “Pelo o que eu sei, falta pouco para terminar. O Andrés fez a maior parte. Primeiro, temos que arrumar dinheiro novo para terminar. Nunca podemos esquecer, temos uma dívida de um bilhão. Temos que pagar salários, temos que trazer dinheiro novo. Está neste pacote, vamos terminar de fazer o CT da base. Temos que equacionar e trazer dinheiro novo. O nosso grande desafio é ter crédito, poder fazer as modificações que têm que ser feitas e trazer dinheiro novo. Acertando isso, vamos fazer tudo que tem que ser feito, esse é o compromisso”, concluiu.

Acompanhe as notícias do seu time do coração pelo Facebook

VEJA TAMBÉM:

Corinthians perde patrocinadora milionária e deve diminuir receita para 2021; veja valores

Carlos Augusto relata experiência ‘solitária’ com Covid-19 e se declara ao Corinthians

Corinthians define futuro de Araos, alvo de Colo-Colo e Universidad Católica