Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Internazionale controla espaços, supera a Juventus e entra de vez na briga pela liderança do Campeonato Italiano

Na coluna PAPO TÁTICO, Luiz Ferreira analisa a atuação dos comandados de Antonio Conte em jogo realizado neste domingo (17)

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Reprodução / Twitter / Inter

Impossível não começar essa análise de outra maneira: a atuação da Internazionale de Antonio Conte mostrou uma equipe sólida, consistente e que soube muito bem como controlar os espaços diante do bom time da Juventus de Cristiano Ronaldo. A vitória por 2 a 0 (em partida válida pela 18ª rodada do Campeonato Italiano) também provou que o escrete nerazzurri segue muito vivo na luta pelo Calcio. Ainda mais quando a equipe conta com uma dupla de ataque formada por Lukaku e Lautaro Martínez, um meio-campo dinâmico como o chileno Arturo Vidal e teve no ótimo Nicolò Barella a válvula de escape para desafogar o jogo pelo lado direito. A Internazionale chega a 40 pontos na tabela do Campeonato Italiano e deixa “La Vecchia Signora” em quinto com apenas 33 pontos (mas com uma partida a menos). Foi uma atuação digna de quem quer recuperar o protagonismo no “país da bota” depois de um longo tempo.

É bem verdade que a Juventus começou o jogo no Giuseppe Meazza levando muito perigo ao gol de Handanovic. Logo aos dez minutos de partida, Chiesa (um dos poucos que se salvaram no escrete comandado por Andrea Pirlo) obrigou o goleiro da Internazionale a fazer boa defesa. No rebote, o camisa 22 cruzou para Cristiano Ronaldo que mandou para as redes. O lance, no entanto, foi anulado por impedimento de Chiesa. A resposta dos comandados de Antonio Conte veio no minuto seguinte. Barella (o melhor em campo na opinião deste que escreve) recebeu de Hakimi pelo lado direito (onde a Juventus marcava mal demais) e colocou a bola na cabeça de Vidal. A partir daí, a Internazionale foi controlando o jogo a partir do 5-3-2 preferido de Antonio Conte e usava a velocidade de Barella, Lautaro Martínez e Lukaku para atacar os espaços que apareceram entre as linhas do seu adversário deste domingo (17).

Internazionale vs Juventus - Football tactics and formations

A Internazionale negou espaços e usou a velocidade de Barella, Lukaku e Lautaro Martínez para controlar uma Juventus que tinha posse de bola, mas que não conseguia criar chances de gol. Morata e Cristiano Ronaldo ficaram isolados na frente e a equipe comandada por Andrea Pirlo não teve a intensidade de outros tempos.

A Internazionale brindaria seu torcedor (e os amantes do velho e rude esporte bretão) com uma das atuações coletivas mais consistentes dos últimos tempos. O trio de zagueiros estava ligado na movimentação de CR7 e Morata, Chiesa foi bem vigiado por Ashley Young na esquerda, Brozovic distribuiu bem o jogo no meio-campo e os meias/volantes Vidal e Barella chegavam no ataque a todo momento e se somavam a Lautaro Martínez e Lukaku no campo ofensivo. Do outro lado, a Juventus sofria para fechar espaços e conter os avanços dos jogadores do escrete nerazzurri. Principalmente quando se notava que Bentancur esteve (por muitas vezes) sobrecarregado na marcação dos seus adversários dentro do 4-4-2/4-3-3 proposto por Andrea Pirlo. Vale lembrar que Brozovic quase não era incomodado quando organizava a saída de bola da Internazionale e que Rabiot e Ramsey estiveram abaixo do que podem render.

O segundo tempo no Giuseppe Meazza foi prarticamente uma repetição do primeiro. E não é exagero nenhum afirmar que o segundo gol da Internazionale (marcado por Barella em lançamento de manual realizado pelo bom zagueiro Bastoni) praticamente acabou com qualquer chance de reação da Juventus. Andrea Pirlo tentou dar sangue novo ao seu time com as entradas de Bernardeschi, Kulusevski e McKennie nos lugares de Frabotta, Ramsey e Rabiot respectivamente, mas acabou deixando “La Vecchia Signora” ainda mais frágil na marcação. E isso sem mencionar que perdeu a saída rápida pela direita com os avanços de Chiesa. Ao mesmo tempo, Cristiano Ronaldo não via a bola chegar com qualidade no ataque e tinha atuação apenas discreta. O jogo era todo da Internazionale de Antonio Conte que descansou seus principais jogadores ao final da partida e viu sua equipe controlar bem o jogo.

Este que escreve afirmou mais de uma vez que a Internazionale tem um elenco de qualidade e todas as condições de brigar por grandes conquistas no Velho Continente. O grande X da questão está na irregularidade do elenco comandado por Antonio Conte (que também se mostra hesitante em determinados momentos e demonstra ter certa má vontade com jogadores mais habilidosos como o dinamarquês Eriksen). É claro que a vitória em cima da sempre poderosa Juventus de Cristiano Ronaldo, Danilo, Chiesa, Chiellini, Bonucci e companhia dá moral para qualquer equipe que sonhe com o título italiano. Ainda mais com a hegemonia de “La Vecchia Signora” nessas últimas temporadas. O que a Inter precisa nesse momento é de regularidade e cabeça no lugar para não perder o foco. Ainda mais diante do fato de que a equipe nerazzurri foi eliminada de todas as competições internacionais nessa temporada.

A atuação da equipe de Milão na vitória sobre a Juventus deve servir de modelo para as próximas partidas. A Internazionale de Antonio Conte soube encontrar soluções simples numa partida complicada e conseguiu se adaptar ao contexto que o confronto exigia. Se mantiver a mesma força mental e a mesma concentração no decorrer do Campeonato Italiano, a possibilidade do escrete nerazzurri rir por último é considerável.

CONFIRA OUTRAS ANÁLISES DA COLUNA PAPO TÁTICO:

Juventus quebra invencibilidade do Milan com ótima atuação coletiva e noites inspiradas de Dybala e Chiesa

Mais uma frustração: Benfica de Jorge Jesus volta a abusar dos erros diante de um Porto ligado e intenso