Agora no Houston Rockets, John Wall dispara contra Washington Wizards e James Harden após vitórias

Após vitória do Rockets contra Washington, John Wall criticou antiga franquia; já após triunfar ante o Blazers, criticam foram contra armador e ala/armador

Willian Ferreira
Colaborador do Torcedores.com e contador de histórias do esporte.

Crédito: TwitterDivulgação

Após dez temporadas no Washington Wizards, John Wall trocou de franquia. A partir da temporada 2020/2021, ele está no Houston Rockets. Após o primeiro confronto entre as duas equipes da National Basketball Association (NBA) na época em questão, o armador soltou o verbo. Em entrevista ao portal The Athletic, o atleta destacou que a franquia do Distrito de Colúmbia não o via como deveria.

Em entrevista, John Wall afirmou que o Wizards não acreditava mais nele enquanto atleta. “Eu sinto que a organização achava que eu estava acabado. Não importa o quanto eu trabalhei para ficar saudável. Eles me viram e acharam que eu estava acabado. É por isso que eu vim aqui hoje e fiz o que eu fiz. Eu nunca quero estar em um lugar que eu não seja desejado e eu sinto que os Rockets me querem aqui”, comentou o jogador após a vitória por 107×88 contra o ex-time.

Hardem

Ele também se mostrou pistola com James Harden. Ex-atleta do Houston Rockets, ele se envolveu em uma série de polêmicas e foi trocado com o Brooklyn Nets. “O time não estava onde queríamos estar e tinha pessoas que não queriam estar aqui. Portanto, é meio difícil superar isso. Depois que a troca aconteceu, conseguimos a equipe que queríamos e caras que queriam estar aqui”, finalizou John Wall.

As palavras foram ditas após a vitória do Rockets ante o Portland Trail Blazers, por 104×101.

LEIA MAIS
Chamado de “bonitão” por companheiro, experiente quarterback da NFL afirma: “Ainda tenho gasolina no tanque e posso fazer muito mais”
Torcedor que usou laser para atrapalhar Tom Brady na NFL é condenado a pagar multa e jamais entrará em estádio novamente
Nike cancela lançamento de tênis que tinha bandeira dos EUA ligada à segregação racial após protesto de ex-jogador da NFL