Seedorf lamenta falta de oportunidades como treinador: “Não há negros em posições de poder maior no futebol”

Ex-jogador acredita que poderia ter recebido mais chances na função de técnico

Bruno Romão
24 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Divulgação/Milan

Atualmente sem clube, Clarence Seedorf lamentou sua situação em entrevista ao jornal “La Gazzetta dello Sport“. Sendo assim, o holandês avaliou que poderia ter recebido mais oportunidades como treinador, já que ele considera que fez um bom trabalho no Milan. Sendo assim, o ex-jogador avaliou que o futebol não proporciona oportunidades para treinadores negros.

“Eu joguei 12 anos no futebol italiano, e, depois de comandar o Milan como técnico e fazer um ótimo trabalho, recebi zero convites. Na Holanda, país em que nasci: zero convites. Quais são os critérios de escolha?” Por que grandes campeões não têm chances na Europa, onde escreveram história no futebol? Por que (Patrick) Vieira teve que ir para o New York City FC? Por que Henry teve que ir para o Canadá?”, questionou.

“Para os treinadores, não há oportunidades iguais. Se olharmos os números, veremos que praticamente não há negros em posições de poder maior no futebol. E isso é um caso geral, é só analisar nossa sociedade inteira”, completou.

Seu time maltrata seu coração? 

Deixa que o Clude cuida dele para você!

Diante disso, Seedorf, que além do Milan treinou Shenzen FC, La Coruña e Camarões, vê a necessidade de mudanças. Portanto, ele reforçou que é necessário que o futebol seja um ambiente em que todos tenham as mesmas oportunidades.

“Todos, em particular os que podem mudar as coisas, devem sentir a responsabilidade de criar um mundo meritocrático, onde todos que têm ambição pela excelência podem encontrar portas abertas, para que os melhores resultados possam vir da própria diversidade“, expressou.

LEIA MAIS

Seedorf se declara ao clássico Botafogo x Flamengo: “Um dos mais importantes que joguei”