Sem confirmar coronavírus, Pascal Siakam volta de quarentena entre quatro e sete quilos mais magro

Sem declarar se testou positivo para coronavírus ou não, Pascal Siakam confirmou a perda de peso repentina e não garantiu que recuperará os quilos

Willian Ferreira
Colaborador do Torcedores.com e contador de histórias do esporte.

Crédito: Twitter/Reprodução

Pascal Siakam foi afastado do elenco do elenco do Toronto Raptors no dia 26 de fevereiro. A suspeita inicial era de que o ala-pivô e pivô tivesse testado positivo para coronavírus, mas nada foi dito sobre tal situação até hoje. Ele voltou à franquia da National Basketball Association (NBA) apenas no dia 17 de março. E com uma mudança bem relevante: de quatro a sete quilos a menos.

Sem falar se, de fato, testou positivo ou não para COVID-19, Pascal Siakam falou sobre a perda repentina de peso. “Eu estou me sentindo bem todos os dias, cuidando do meu corpo e fazendo meu melhor para estar bem em quadra. Estou em um bom espaço. Só quero continuar melhorando, me sentindo bem, que é o que mais importa”, declarou o jogador em coletiva de imprensa.

Recuperação?

Quando perguntando sobre se pretende recuperar o peso perdido de maneira repentina, Pascal Siakam afirmou que tal situação não é uma prioridade. Ele também declarou que todas as opções estão abertas. “Eu estou experimentando como é passar por esse processo. Hoje estou me sentindo bem, em termos de corrida e como as coisas estão acontecendo. Estou gostando e quero ver como isso vai evoluir”, finalizou o atleta.

Camaronês, Pascal Siakam foi recrutado pelo próprio Toronto Raptors no Draft NBA 2016. Na National Collegiate Athletic Association (NCAA), ele jogou em New Mexico State Aggies.

LEIA MAIS
Chamado de “bonitão” por companheiro, experiente quarterback da NFL afirma: “Ainda tenho gasolina no tanque e posso fazer muito mais”
Torcedor que usou laser para atrapalhar Tom Brady na NFL é condenado a pagar multa e jamais entrará em estádio novamente
Nike cancela lançamento de tênis que tinha bandeira dos EUA ligada à segregação racial após protesto de ex-jogador da NFL