Após veto de Minas Gerais, FPF estuda levar Paulistão para o Centro-Oeste, diz colunista

Sequência do Paulistão, que não poderá ocorrer em São Paulo, segue indefinida

Bruno Romão
24 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Divulgação/FPF

Segundo o colunista Cosme Rímoli, do portal “R7”, a FPF tenta uma de suas últimas cartadas para não paralisar o Paulistão. Após o Governo de Minas Gerais vetar a possibilidade de jogos de outros locais do Brasil no estado, a entidade estuda levar os próximos jogos para a região Centro-Oeste, mais especificamente para Mato Grosso do Sul.

Dessa forma, a intenção é que o calendário não seja prejudicado, mesmo com a garantia de que o campeonato não seria estendido. Portanto, existe uma grande resistência por parte da FPF em aceitar a paralisação. Diante disso, em nota oficial, foi ressaltado que o protocolo que vem sendo aplicado é totalmente seguro.

“O futebol é a atividade econômica que possui um rigoroso e inédito protocolo de saúde, com testagens semanais de seus colaboradores e acompanhamento médico diário. Com a paralisação, mais de 3.000 atletas, membros de comissões técnicas e funcionários das agremiações param de ter esse controle médico”

“A FPF esclarece que, embora todas as medidas tenham sido bem recebidas pelo Governo de São Paulo e pelo Ministério Público, o pleito foi rejeitado sob argumentos que fogem de qualquer conceito médico e científico já visto mundialmente no combate à COVID-19. Nesta tarde (16), a FPF e os clubes das Séries A1, A2 e A3 se reunirão novamente para discutir as medidas que serão tomadas, garantindo a conclusão das competições em suas datas programadas”, afirmou a federação.

Agora, resta saber se o Mato Grosso do Sul possui intenção, além de condições, de conceder o aval para que o Paulistão aconteça no estado. Inicialmente, o jogo entre São Bento x Palmeiras aconteceria em Belo Horizonte, mas o veto acabou dando ares de indefinição para o duelo.

LEIA MAIS