Venda de Pedro à Fiorentina pode render mais dinheiro ao Fluminense

Suposta fraude em passaporte esportivo do atacante, hoje no Flamengo, pode gerar ressarcimento ao Fluminense

Victor Martins
Um homem que acredita ser jornalista, escritor e 'chato'. Decidam vocês qual será a opção escolhida.Formado na Universidade Metodista de São Paulo. No Torcedores desde 2016 ou algo parecido.

Crédito: Rio de Janeiro - 17/04/2019 - Maracanã. Fluninense enfrenta o Santa Cruz esta noite pela 4ª fase da Copa do Brasil 2019. FOTO: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C. IMPORTANTE: Imagem destinada a uso institucional e divulgação, seu uso comercial está vetado incondicionalmente por seu autor e o Fluminense Football Club.É obrigatório mencionar o nome do autor ou usar a imagem. . IMPORTANT: Image intended for institutional use and distribution. Commercial use is prohibited unconditionally by its author and Fluminense Football Club. It is mandatory to mention the name of the author or use the image. . IMPORTANTE: Imágen para uso solamente institucional y distribuición. El uso comercial es prohibido por su autor y por el Fluminense Football Club. És mandatório mencionar el nombre del autor ao usar el imágen.

No último final de semana, saiu a notícia de que o atacante Pedro, do Flamengo, se viu envolvido numa investigação sobre uma suposta fraude de seu passaporte esportivo que teria sido cometida pelo Bangu. E que pode até mesmo render ao Fluminense, antigo time do jogador, ainda mais valores da venda deste à Fiorentina.

Segundo o blog ‘Lei em Campo’, do Uol Esporte, aponta que, caso seja comprovada a fraude, o Fluminense poderia receber o ressarcimento de valores da negociação que teriam sido repassados ao Bangu através do mecanismo de solidariedade da Fifa, que cede parte de valores de transferências para os times formadores do jogador.

Foram R$ 200 mil recebidos pelo Bangu da negociação que levou Pedro à Fiorentina (R$ 58 milhões). O clube de Moça Bonita recebeu os valores devido a uma passagem pelo time creditada ao jogador entre os anos de 2011 e 2013, segundo os registros do passaporte esportivo que constam na CBF.

No caso, segundo pareceres de especialistas apresentados na matéria, a Fiorentina não deveria ter responsabilidade em tal ressarcimento por ter agido ‘de boa fé’ seguindo o que fora apresentado nos documentos. Toda a documentação é de responsabilidade, segundo a CBF, das federações estaduais.

Em depoimentos, o atacante do Flamengo e a mãe do jogador afirmaram que o atleta jamais atuou pelo Bangu na base, citando apenas um teste que teria sido feito pelo atacante no clube. Jorge Varela, presidente do clube, rebate ambos e afirma ter provas de que o jogador flamenguista atuou por sua equipe.

A prova seria uma súmula de uma partida a qual Pedro teria atuado com a camisa do Bangu na época de sua passagem. Tal documento será alvo de perícia.

LEIA MAIS

Após rumores sobre saída, Flamengo destaca reapresentação de Arrascaeta no Ninho do Urubu

Clube da Série A fala sobre interesse em Róger Guedes e campeão pelo Palmeiras

(FOTO: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C. )