Icardi pode encabeçar “barca” do PSG na próxima janela; veja nomes

PSG deve analisar possíveis saídas visando a próxima temporada

Bruno Romão
24 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Divulgação - PSG

Após mais um fracasso na Champions League, o PSG tem chances de vender jogadores na próxima janela de transferências. Sendo assim, de acordo com o jornal “Le Parisien“, alguns atletas que possuem mercado na Europa podem ser negociados para fazer caixa e viabilizar a chegada de reforços. Apesar de ser um dos clubes mais ricos do mundo, os parisienses também foram afetados pela pandemia e precisam se desfazer de nomes do plantel para realizar contratações.

Dessa forma, o primeiro jogador citado é Mauro Icardi. Sem conseguir se consolidar como titular absoluto, o centroavante estaria na mira da Juventus, e uma volta para o futebol italiano estaria nos planos do argentino. Porém, conseguir arrecadar os 50 milhões de euros (R$ 320 milhões) pagos por sua opção de compra será uma missão bastante difícil para a diretoria do PSG.

Além disso, Kehrer e Sarabia, atualmente reservas com Pochettino, também são outras opções de eventuais vendas. Como não estão tendo muitas chances com o técnico, ambos podem ser colocados no mercado, e voltarem, respectivamente, para Alemanha e Espanha. Já Mitchel Bakker, que perdeu a posição para Diallo no segundo jogo contra o City, tem chances de ser negociado, já que Bernat irá assumir a posição assim que voltar de lesão, e o elenco conta com Kurzawa.

SITUAÇÕES PENDENTES

Com contratos de empréstimo, Rafinha e Florenzi ainda vão ser analisados pela comissão técnica. Enquanto o meia é reserva e não conseguiu ter muito espaço em sua primeira temporada, podendo ser devolvido ao Barcelona, o lateral-direito ganhou a posição desde que foi cedido pela Roma, mas ainda precisa ser comprado em definitivo pelo valor de 9 milhões de euros (R$ 57 milhões).

LEIA MAIS