Zaven Collins chora ao ser draftado, promete Super Bowl e se empolga: “Nós vamos matar todo mundo”

Linebacker, que jogou na faculdade por Tulsa Golden Hurricane, afirmou que “vai matar todo mundo”; Zaven Collins também falou em conquistar o Super Bowl

Willian Ferreira
Colaborador do Torcedores.com e contador de histórias do esporte.

Crédito: Twitter/Reprodução

O primeiro dia de recrutamento de jogadores da National Collegiate Athletic Association (NCAA) pelas franquias da National Football League (NFL) tem a assinatura de contrato dos melhores atletas do futebol americano universitário. Muitos deles já esperavam a seleção. Mesmo assim, o momento é bastante emocionante para muitos. A realização do sonho de Zaven Collins no Draft NFL 2021 foi especialmente tocante.

Linebacker do Tulsa Golden Hurricane na NCAA, Zaven Collins foi selecionado pelo Arizona Cardinals. Na décima sexta escolha geral, o defensor atendeu o telefonema de Steve Keim, general manager da franquia. Surpreso com a reação de quem estava com o jogador, o dirigente brincou. “Você tem alguns cachorros? Estou ouvindo alguns cachorros por aí. Eu não disse que estou te escolhendo ainda, diga para todo mundo se acalmar um pouco. Você está pronto?”, riu.

O linebacker, então, explicou a situação. Depois, ele se empolgou. “Toda a minha família está aqui. Eu estou pronto, nós vamos matar todo mundo. Eu gosto disso, nós vamos ter um anel tão grande que um cão não conseguiria pulá-lo. Eu amo isso, vamos lá”, afirmou Zaven Collins, antes de chorar ao agradecer pela escolha.

Antes de sair do telefone, Keim deu uma dica a Zaven Collins. “Eu amo isso, cara. Mantenha essa atitude, Aproveite o tempo com a sua família”, finalizou.

Confira a reação no vídeo:

LEIA MAIS
Chamado de “bonitão” por companheiro, experiente quarterback da NFL afirma: “Ainda tenho gasolina no tanque e posso fazer muito mais”
Torcedor que usou laser para atrapalhar Tom Brady na NFL é condenado a pagar multa e jamais entrará em estádio novamente
Nike cancela lançamento de tênis que tinha bandeira dos EUA ligada à segregação racial após protesto de ex-jogador da NFL