Seleção olímpica: Jardine lamenta ausência de Neymar e explica escolha de Pedro

Brasil irá para as Olimpíadas com uma seleção sem grandes surpresas, exceto pelos jogadores acima dos 24 anos de idade

Flavio Souza
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação / Thais Magalhães/CBF

Nesta quinta-feira (17), a seleção olímpica do Brasil teve sua convocação final visando a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Apenas 18 nomes vão em busca do segundo ouro seguido e por conta disso nomes que fizeram parte desse ciclo ficaram de fora. Além disso, diversos clubes vetaram a participação de seus jogadores. Dessa forma, André Jardine não pôde contar com todos os atletas que tinha pensando inicialmente.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

Por conta disso, a principal ausência acabou sendo de Neymar. A CBF tentou negociar sua liberação e também do zagueiro Marquinhos, mas como as Olimpíadas não são uma data-Fifa, a Confederação não teve como reverter a situação. Na coletiva de imprensa após a convocação, a comissão técnica respondeu sobre o atacante e outros assuntos relacionados a convocação e a competição.

Confira os principais trechos da coletiva da seleção olímpica do Brasil

Ausência de Neymar

“O Neymar é referência mundial. Pra gente, é um grande líder da seleção principal e gostaríamos de contar com ele. Logicamente, se tornaria muito mais difícil a gente pensar em algum atleta que faria duas competições, ou seja, Copa América e Olimpíada. Gostaríamos de contar com ele, mas não deu. Que ele seja feliz e bicampeão da Copa América. É o nosso grande jogador, um garoto espetacular. Sorte para ele, para o Tite e todo mundo”

Convocação de Pedro

“Respeitamos os clubes, mas a nossa mentalidade é de escolher os melhores. O Pedro é determinante nesse processo olímpico. O Flamengo tem uma posição e tecnicamente temos outra. Nos últimos dois jogos, ele fez três gols e tem uma vontade enorme de defender o Brasil. Ele está entre os melhores nomes do Brasil no momento.”

Jogadores acima dos 24 anos

“O Daniel Alves é uma referência. É um nome que tem um grande currículo, um dos mais vitoriosos de todo o futebol, tirou o São Paulo de uma fila. Era para estar na Copa América, mas infelizmente se lesionou. Procurávamos alguém como ele. Perfil de liderança e espírito vencedor. Tem um nível impressionante. Vai agregar demais. Tem sabedoria, liderança. O universo quis assim, nos colocou diante dele para a seleção olímpica. Vimos que ele ainda não tem a conquista da Olimpíada, brincamos com isso, e queremos que ele tenha esse título. Seria um momento ímpar.

Entendemos que teriam que ser atletas com bagagem para agregar numa seleção que já é bastante forte. Acho que Santos é goleiro de principal, concorrência é de nível altíssimo, impressionante, e já foi convocado pelo Tite. Domina todos os fundamentos, ajuda a equipe em fase de construção. Vai dar esse toque de experiência que demonstramos que gostaríamos de ter. Diego Carlos está sempre no radar do Tite, altíssimo nível, vai agregar muita experiência e dar peso ao nosso sistema defensivo.”

Adversários do Brasil nas Olimpíadas

“O nosso foco estava na escolha dos 18 nomes, mas sim a gente está fazendo a observação dos adversários. Já acompanhamos principalmente nossos adversários da primeira fase. A Alemanha acabou de ser campeã da Euro Sub-21 e tivemos oportunidade de assistir os jogos. A Arábia Saudita fez dois amistosos contra a Argentina e o México e também estamos bem atentos a esses jogos. E além disso, nosso departamento de análise de desempenho tem feito um trabalho para observar não só as seleções do nosso grupo como as outras. A medida que formos evoluindo, vamos receber todas as informações para não sermos surpreendidos”.

LEIA MAIS:

Daniel Alves e goleiro Santos são as principais novidades da seleção olímpica

Experiência, entrosamento e futebol ofensivo: o que esperar da Seleção Olímpica nos Jogos de Tóquio