Áudio do VAR revela o que fez o árbitro invalidar gol do Boca contra o Atlético-MG

Lance polêmico da anulação do gol do Boca Júnior é justificado pela arbitragem na conversa com o VAR

Matheus D'Avila
Colaborador do Torcedores

Crédito: Pedro Souza / Atlético

A Conmebol divulgou a conversa entre os árbitros do jogo que envolveu Atlético-MG e Boca Júniors na noite da última terça-feira. O encontro, válido pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América, foi marcado por grandes confusões envolvendo as equipes. E o pivô de toda a briga foi o lance de gol dos argentinos anulado pelo VAR por conta da interferência do meio-campista Diego González. Em posição de impedimento, o jogador correu em direção a bola, atrapalhando o goleiro Everson na interpretação da arbitragem.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

O juiz do confronto foi Esteban Ostojich, uruguaio de 39 anos, que precisou de cinco minutos de verificação para anular o gol do Boca Juniors na etapa complementar. Cercado pelos jogadores que brigavam entre si, o árbitro travou um longo debate com seus companheiros que controlavam as imagens da cabine. Porém, a decisão foi sacramentada com o seguinte diálogo:

“(O número 23) vai buscar a bola e interfere no goleiro, que não faz o gesto que deveria fazer por causa da disputa de bola. Na linha, o número 23 está fora de jogo. Perfeito, houve interferência. Vou remarcar (o lance) como fora de jogo”, sacramentou Esteban Ostojich.

Igualmente ao ocorrido em Buenos Aires, a partida encerrou com o placar em 0 a 0. Como resultado, a disputa foi para as penalidades e os brasileiros levaram a melhor. A classificação do Atlético-MG veio em cobrança de pênalti do goleiro Everson. Após o jogo, os argentinos reclamaram muito das decisões da arbitragem e se envolveram em brigas no interior do estádio. Inclusive, confusões com a polícia militar.

LEIA MAIS:

Foto de Nacho rende punição ao Atlético-MG na Libertadores