Como pentacampeão com o Brasil ajudou goleiro a dar título à Itália na Eurocopa

Gianluigi Donnarumma foi treinado na última temporada por Dida, ex-goleiro do Milan e da seleção brasileira

Lucas Ayres
Colaborador do Torcedores

Crédito: Paul Ellis - Pool/Getty Images

A cena é icônica: o batedor vai para a cobrança decisiva, perde e o goleiro adversário, campeão, levanta-se rapidamente e anda para o lado vagarosamente, com o semblante frio, ignorando a catarse da comemoração nas arquibancadas.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

De quem estamos falando, Dida ou Donnarumma? Aí que está, tanto faz. O brasileiro, pentacampeão do mundo com a seleção brasileira em 2002, é, desde setembro de 2020, treinador de goleiros do Milan, clube onde jogou por nove anos e conquistou, entre outros títulos, o bicampeonato da Champions League.

Aposentado (definitivamente) desde 2016, Dida começou na nova profissão no mesmo ano, no SZ FC, da China. Depois de uma rápida passagem pelo Pyramids, do Egito, o ex-goleiro retornou ao Milan, primeiramente na equipe sub-17, para treinar os jovens portieri.

Em 2020, subiu à equipe profissional no naquele que era o começo da primeira temporada completa do treinador Stefani Pioli no clube. Lá, encontrou um jovem que vivia em atritos com a diretoria, mas de um talento enorme: ele mesmo, Gianluigi Donnarumma.

O encontro de Dida e Donnarumma no Milan

O italiano, nascido em 1999 e atleta profissional já aos 16 anos, ia para sua terceira temporada como titular absoluto — e mais ou menos para a segunda em litígio com a direção do Milan, via Mino Raiola, seu “superempresário”.

Apesar dos problemas extracampo, Donnarumma soube extrair o melhor do contato diário com Dida. Ainda que os 38 gols sofridos em 36 jogos na Serie A não representem nem a sua terceira melhor média no gol do Milan, seu desempenho contribuiu para aquela que foi a melhor temporada do clube italiano desde 2012.

Na ocasião, os Rossoneri fizeram 80 pontos e foram vice-campeões; em 2020-21, pontuação de 79 e a mesmíssima posição na tabela.

O impacto de Dida no desempenho de Donnarumma

Na seleção italiana, o impacto de Dida no desempenho de Donnarumma é ainda mais visível. Desde que o brasileiro se tornou treinador no Milan, o italiano fez 15 jogos e sofreu 5 gols. Antes, foram 18 partidas e 10 gols sofridos. Sem falar do prêmio de melhor jogador da Euro 2020. E há ainda a questão dos pênaltis.

Gianluigi Donnarumma tem uma marca impressionante na carreira. Afinal, nunca perdeu uma disputa de pênaltis. Foram cinco desde 2015, mas três delas somente entre outubro de 2020 e 2021. O que aconteceu logo antes desse período? Isso mesmo, Dida de volta ao Milan.

A comemoração do italiano (ou melhor, a falta dela), na defesa que garantiu o título da Itália na Eurocopa 2020, é portanto, não foi exatamente uma homenagem, mas serviu como um enorme reconhecimento ao brasileiro — e uma despedida, já que o Gigi está de malas prontas para o PSG.

LEIA MAIS

Resumão da Eurocopa: memes do 1º dia ao título da Itália

Euro: antes reserva, Chiesa se consolida como herói da Itália

Euro: como a Sampdoria dos anos 90 ajuda a explicar o sucesso da Itália

Finais da Euro e da Copa América reforçam “renascimento” do Campeonato Italiano

Inspiração? Donnarumma ‘imita’ Dida ao reagir com frieza após decisão de pênaltis

Campeão com a Itália, Donnarumma nunca perdeu uma disputa de pênaltis na carreira