Morre estrela do esporte da Inglaterra de Covid-19

Ícone do esporte no país morre aos 59 anos de covid-19

Alexander Rodrigues
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação Twitter oficial - @viking180

O esporte na Reino Unido está de luto, pois foi anunciada nessa quinta-feira (15) a morte, por complicações do Covid-19, do inglês Andy Fordham, uma verdadeira lenda do jogo de dardos, que é um esporte muito popular na Inglaterra. No auge da sua carreira, o “Viking” como era conhecido, se sagrou campeão do mundo no ano de 2004 derrotando uma outra lenda Mervyn King no BDO World Championship.

Veja mais: Arsenal: Forma física de brasileiro choca em amistoso de pré-temporada

Fordham sofreu com problemas de saúde ao longo da vida, muito por abuso de bebidas alcóolicas. Em janeiro desse ano ele testou positivo para o Covid-19 e os médicos alertaram que a doença poderia derrubá-lo muito rápido. Ele, inclusive, chegou a dar uma entrevista chorando, onde dizia que: “É a coisa mais assustadora que enfrentei na minha vida”.

Em comunicado, a Organização Britânica de Dardos (BDO) prestou as suas condolências a Andy Fordham e sua família.

“A  Organização Britânica de Dardos está profundamente triste de saber da perda da lenda dos dardos Andy (The Viking) Fordham, um verdadeiro cavalheiro do esporte que deixará muitas saudades a todos.”

Andy Fordham competiu pela última vez em 2018 e estava internado desde março de 2020 com um problema no intestino.

Leia mais:

Mercado da bola: Manchester City pode perder joia alemã para a Bundesliga

Mercado da bola: Arsenal considera pagar quase 300 milhões por joia inglesa do Chelsea

 Mercado da bola Liverpool pode pagar 400 milhões por campeão europeu da Inter de Milão

Mercado da bola: joia holandesa fecha com clube francês

 Ex-Bayern de Munique, Real Madrid e Chelsea encerra a carreira aos 37 anos

Mercado da bola_: Liverpool considera pagar 300 milhões por italiano campeão europeu

Manchester City mira zagueiro do Fulham

Marcelo assume a braçadeira de capitão do Real Madrid com a saída de Sérgio Ramos: “É um orgulho, primeiro, mas é uma responsabilidade muito grande”