Home Futebol Cicinho revela que Cuca dava laxante para jogadores no São Paulo e explica motivo

Cicinho revela que Cuca dava laxante para jogadores no São Paulo e explica motivo

Prática do treinador foi registrada em 2004, quando ele estava à frente do Tricolor

Cido Vieira
Jornalista graduado no Centro Universitário Uninter. Trabalho no Torcedores.com desde 2017, desempenhando a função de redator. Sou setorista do futebol pernambucano em rádios locais e um verdadeiro apaixonado pelo esporte bretão.

Os bastidores do futebol reservam muitas coisas que, quando reveladas, acabam causando espanto. Alguns treinadores, por exemplo, chegam a utilizar métodos insólitos para acalmar o nervosismo dos jogadores às vésperas de uma decisão, para que estes rendam o esperado. Ex-jogador do São Paulo e agora comentarista do programa Arena SBT, Cicinho revelou que quando era comandado por Cuca, no Tricolor, o treinador costumava dar um “remedinho” horas antes de confrontos importantes.

PUBLICIDADE

Comandado por Cuca em 2004 no São Paulo, Cicinho revelou que o atual treinador do Atlético-MG dava laxante para os jogadores para amenizar o tradicional “frio na barriga”

“Na época do São Paulo, o Cuca dava um remedinho para a gente. A gente perguntava, ele falava que era laxante. ‘C*** aqui fora para não c**** lá dentro”, disse o ex-jogador do Tricolor.

PUBLICIDADE

Naquela temporada em questão, o São Paulo chegou a avançar até a semifinal da Libertadores, mas acabou caindo para o Once Caldas, da Colômbia.

Convidado do programa, o ex-jogador Amaral também abordou sobre o assunto levantado por Cicinho, e classificou com normal a ansiedade antes dos jogos.

“Antes de clássico, é normal sentir um friozinho na barriga. Às vezes, eu ia no banheiro antes de um jogo e via se conseguia fazer alguma coisa. Se não fizesse, estava tranquilo”, revelou Amaral.

EM AÇÃO

PUBLICIDADE

Após o empate em 1 a 1 no jogo de ida do Morumbi, o São Paulo visita o Palmeiras logo mais às 21h30 (de Brasília), no Allianz Parque, tentando carimbar sua vaga na semifinal da Copa Libertadores. Para avançar, o time de Hernán Crespo precisa vencer no tempo normal ou segurar um empate de dois ou mais gols. A igualdade sem gols dá a classificação ao arquirrival.

LEIA MAIS:

PUBLICIDADE