Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Após escândalo de e-mails com teor ofensivo a minorias, Jon Gruden é removido do Anel de Honra do Buccanneers

Campeão do Super Bowl XXXVII com o Tampa Bay Buccaneers, Jon Gruden utilizou termos misóginos, homofóbicos e racistas em troca de e-mails vazada

Willian Ferreira
Colaborador do Torcedores.com e contador de histórias do esporte.

Crédito: Twitter/Divulgação

Os desdobramentos do escândalo envolvendo Jon Gruden seguem. Head coach do Las Vegas Raiders, uma das franquias da National Football League (NFL), ele pediu demissão na última segunda-feira (11) após o vazamento de uma série de e-mails com teor ofensivo a minorias. Nesta terça-feira (12), o Tampa Bay Buccaneers anunciou uma medida contra o treinador.

Jon Gruden foi treinador da franquia da Florida entre 2002 e 2008. No período, conquistou o Super Bowl XXXVII. A honraria foi alcançada logo na primeira temporada como head coach da equipe. Em 2017, ele foi incluído no Anel de Honra do Bucs. O utensílio só é concdido a quem consegue grandes feitos com o time. Até hoje, o treinador é o que mais somou vitórias com a equipe da Florida desde 1974, quando a equipe foi fundada: 57 vitórias. O recorde também conta com 55 derrotas.

Em comunicado distribuído à imprensa, a franquia pontuou os motivos pelos quais tomou tal decisão. “O Tampa Bay Buccaneers tem defendido mudanças nas áreas de relações raciais, igualdade de gênero, diversidade e inclusão por muitos anos. Embora nós reconheçamos as contribuições de Jon Gruden em campo, suas ações vão contra nossos valores centrais como uma organização. Portanto, ele não continuará a ser um membro do Anel de Honra dos Buccaneers”, oficializou.

Escândalo

Na última segunda-feira (11), uma série de e-mails que datam de 2011 entre Jon Gruden e Bruce Allen foi vazada. Além do head coach, as conversas envolviam o antigo dono do Washington Football Team – chamado de Washington Redskins à época. Quando era comentarista da ESPN (e não mais head coach do Buccaneers), o head coach utilizou termos misóginos, racistas e homofóbicos para tratar da investigação que a franquia do Distrito de Colúmbia sofria por conta de denúncias de assédio sexual. Na imprensa, a denúncia veio do jornal The Wall Street Journal.

LEIA MAIS
Equipe da NBA vê novo filme da saga Star Wars em shopping que era alvo de tiroteio
Terra plana: conheça as estrelas da NBA que acreditam na teoria
Craque do Golden State Warriors faz cirurgia e volta à NBA apenas em 2020, afirma empresário do jogador