Home Futebol CBF ganha processo contra ex-patrocinador e receberá até R$ 72 milhões

CBF ganha processo contra ex-patrocinador e receberá até R$ 72 milhões

Entidade ganhou no STJ da Marfrig, dona da Seara; empresa patrocinou seleção no começo da década de 2010

Victor Martins
De Santo André-SP, formado em Jornalismo pela Unversidade Metodista de São Paulo (classe de 2010-13), trabalhando no Torcedores desde janeiro de 2016 (ou algo neste sentido). Iniciado na profissão desde meados de 2006, ao fazer a cobertura da Copa do Mundo da Alemanha para o site Abolanet. cobrindo jogos e os destaques de algumas seleções durante o evento, e posteriormente trabalhando neste até cerca de 2007. Entre os anos de 2008 e 2015, trabalhei para uma agência de notícias que produziu conteúdo para diversas páginas. Destas, principalmente a da Federação Paulista de Futebol, fazendo serviços de placar ao vivo das mais diversas competições (nacionais e internacionais) e serviços de pós-jogo focados nos clubes de São Paulo Desde 2016 venho trabalhando no Torcedores, onde venho desempenhando uma série de funções dentro do site, como setorista de clubes do futebol brasileiro e de outros esportes (MMA), além de trabalhar em várias partes do organograma da página. Atualmente, exerço trabalho na cobertura de futebol nacional e internacional, com a criação de matérias sobre clubes e jogadores, além de produção de guias de TV (onde assistir aos jogos) das partidas dos mais variados torneios no Brasil e no mundo

Divulgação/Site Oficial da CBF

PUBLICIDADE

A CBF viu uma briga com um patrocinador na Justiça se encerrar de modo favorável à entidade. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu à confederação vitória no processo movido contra a Marfrig, empresa do ramo frigorífico que patrocinou a seleção brasileira no começo da década de 2010.

De acordo com o Uol Esporte, a CBF venceu um processo no qual cobrava R$ 72 milhões da empresa pela rescisão de contrato de patrocíno. Na votação do tribunal, a máxima entidade do futebol brasileiro teve seu pedido acatado por 3 votos a 1 pelos magistrados que analisaram a ação.

Em 2010, a Marfrig e e confederação assinaram um acordo de patrocínio que iria até 2026 para que a marca Seara, de propriedade de empresa à época (hoje é da JBS), estampasse sua marca em uniformes da seleção brasileira. Mas o acordo teve interrupção em 2012, quando o frigorífico parou de pagar suas cotas à entidade, que foi à Justiça para receber os valores devidos pela empresa, cuja rescisão se deu em 2013.

PUBLICIDADE

[DUGOUT dugout_id=”embed-eyJrZXkiOiJUZk9hZ3ZJeCIsInAiOiJ0b3JjZWRvcmVzIiwicGwiOiIifQ==”]

Na ação, estão garantidos pelo menos US$ 32 milhões de cláusula penal e ainda mais US$ 10,9 milhões das parcelas não pagas, com a cotação para o real fixada conforme a época. Mas o valor pode aumentar e até chegar a mais R$ 100 milhões com o trânsito totalmente em julgado e dependendo de embargos de declaração para cobrar honorários advocatícios do processo.

A Marfrig já tinha colocado para pagar cerca de R$ 58,9 milhões em seu balanço financeiro, apontando uma prevista derrota para a CBF na ação movida no STJ. Uma cláusula de 20% também será colocada nas parcelas que deveriam ter sido pagas após a rescisão do contrato com a empresa.

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

Seleção: Caboclo quebra o silêncio sobre negociação frustrada por Xavi

Caso Bruninho: tudo sobre o torcedor do Santos xingado na Vila Belmiro

Tite deixará seleção independente do resultado na Copa do Catar; Renato Gaúcho perde força e Jesus é cotado

Gigante do Brasileirão recebe consulta para virar clube-empresa

PUBLICIDADE

Tite convida torcedor do Santos que foi ameaçado na Vila Belmiro para conhecer a seleção: “Dá para ter educação e respeito por tudo”

Daniel Alves se oferece, mas gigante europeu descarta sua contratação

Lutador de UFC aparece irreconhecível após levar chute no rosto

Tite cita jogador do Palmeiras entre os “articuladores” observados pela seleção e fala em ‘resgatar’ o Coutinho do Liverpool

PUBLICIDADE