Home Futebol Rivellino vê “esquecimento” de jogador badalado no Brasil: “Ninguém fala”

Rivellino vê “esquecimento” de jogador badalado no Brasil: “Ninguém fala”

Comentarista apontou decisão que não é mais contestada entre torcedores e profissionais da imprensa

Bruno Romão
26 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: [email protected]
Rivellino.

Rivellino, em discurso na TV Cultura (Reprodução)

De volta ao Flamengo após o efeito suspensivo da punição de dois anos, Gabigol vem sendo discreto em campo. Acionado diante do Bolívar, o camisa 10 não conseguiu balançar as redes na goleada do clube carioca e, por enquanto, a condição de reserva segue inalterada. Neste contexto, Rivellino destacou que a decisão de Tite sequer é contestada.

PUBLICIDADE

Ídolo do Flamengo, Gabigol perdeu a posição para Pedro, dono de uma regularidade notável de gols. Analisando o atual momento, Rivellino, que fez questão de exaltar a volta de Arrascaeta, nota um “esquecimento” do atacante.

“É gozado porque ninguém fala mais do Gabigol para entrar e sair. É gozado.”, disse, no Cartão Verde, da Tv Cultura.

PUBLICIDADE

“Voltou o jogador pensante e que faz a diferença.”, acrescentou o comentarista.

Como Pedro é titular absoluto, Tite considera que Gabigol pode atuar ao lado do centroavante. Mesmo que o camisa 10 seja reserva, o técnico do Flamengo destacou a importância do atleta para o grupo.

“Você pode jogar com dois, pode jogar ele com o 9. Ele pode jogar nessas duas variações […] Um não ganha, grupo ganha. Ele (Gabigol) está para dar força em relação à equipe toda.”, afirmou.

Gabigol não teme pressão no Flamengo

Vinculado ao Flamengo até o final do ano, Gabigol deseja aumentar o legado no clube. Embora não tenha mais minutos como antes, o atacante mantém o ímpeto voraz de ganhar títulos e, apesar das situações adversas, garante que o estilo permanece intacto.

PUBLICIDADE

“É onde eu me sinto mais tranquilo, na verdade. Quando tem pressão, quando é um jogo decisivo que pode te levar para frente e eliminar o adversário, quando tem grande jogo, é onde eu me sinto mais tranquilo e mais preparado.”, declarou ao GE.