Gabriel Martinelli é a boa nova para Tite e a Seleção Brasileira

Brasileiro de 18 anos foi o grande nome do empate em 2 a 2 entre Chelsea e Arsenal; auxiliares de Tite, César Sampaio e Matheus Bachi estiveram no Stamford Bridge e viram Martinelli desequilibrar a partida

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Reprodução / Facebook / Arsenal

Há um ano atrás, Gabriel Martinelli aparecia para o futebol brasileiro defendendo as cores do Ituano no Campeonato Paulista. Hoje, o brasileiro de apenas 18 anos é cotado como uma dos jovens jogadores mais promissores do mundo. E sua atuação no empate emocionante entre Chelsea e Arsenal prova (mais uma vez) que Gabriel Martinelli pode dar muitas alegrias ao torcedor dos Gunners. Mesmo com sua equipe jogando com um a menos (David Luiz foi expulso no primeiro tempo), o camisa 35 incomodou bastante partindo da esquerda e marcando um dos mais belos gols desse início de 2020. O jogo no Stamford Bridge foi emocionante e Gabriel Martinelli foi decisivo. E isso só aumenta as esperanças por uma convocação do jovem para a Seleção Brasileira. Pode ser o jogador que Tite buscava para fazer sua equipe recuperar o bom futebol.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

É bem verdade que as coisas não começaram lá muito bem para o Arsenal. O time comandado por Mikel Arteta entrou em campo armado no 4-2-3-1 usual, mantendo Gabriel Martinelli, Özil e Pépé atrás de Lacazette no setor ofensivo. Do outro lado, o Chelsea entrava em campo armado pelo técnico Frank Lampard num 4-3-3/4-1-4-1 que tinha Jorginho organizando a saída de bola com Kanté e Kovacic um pouco mais à frente. No ataque, o trio formado por Willian, Abraham e Hudson-Odoi se movimentavam bastante e confundiam a defesa do Arsenal. Tanto que o domínio dos Blues já era visível de Mustafi errar o recuo de bola e David Luiz cometer pênalti que seria convertido por Jorginho aos 27 minutos da primeira etapa. Com um jogador a menos, Arteta recuou Xhaka para a zaga e reorganizou o Arsenal num 4-4-1 com Özil se posicionando quase como um volante. Mesmo assim, os Gunners levavam perigo. Quase sempre com Gabriel Martinelli puxando os contra-ataques a partir do lado esquerdo.

O Chelsea seguiu mandando na partida no segundo tempo, mas não conseguia transformar seu domínio territorial em gols. E esse erro acabaria sendo fatal para os comandados de Frank Lampard. Arteta percebeu que o Arsenal precisava de mais força na marcação e mandou Guendouzi para o jogo no lugar de um Özil bastante apagado. Mas aos 17 minutos da segunda etapa aconteceria o lance que motivou essa análise em cima de Gabriel Martinelli. Willian cobrou escanteio na área, a zaga dos Gunners cortaram e a bola chegou nos pés do jovem brasileiro. Numa arrancada fulminante (que contou com um escorregão de Kanté), Gabriel Martinelli percorreu quase todo o campo do Stamford Bridge antes de tocar na saída de Kepa. Golaço que premiou a grande atuação do jovem de 18 anos. Envolvente no ataque e firme na recomposição com uma disciplina tática louvável para a pouca idade. Não é por acaso que Martinelli acabaria sendo eleito o melhor em campo pela organização da partida.

O golaço de Gabriel Martinelli deu muito mais emoção a um jogo que já estava em chamas. O Chelssea se lançou ao ataque com as entradas de Barkley e Mount nos lugares de Kanté e Kovacic, mas abriam espaços para um Arsenal ligado em 220 volts após o empate. Lacazette chegou a ter um gol anulado antes que Azpilicueta marcasse o segundo dos Blues após cobrança de escanteio aos 38 minutos. O Arsenal (que já não tinha mais o atacante Pépé (substituído pelo zagueiro Holding) se lançou ao ataque mais uma vez. E quiseram os deuses do futebol que Bellerín marcasse o gol de empate num chute cruzado da entrada da área. Era o prêmio pela aplicação tática e pela entrega dos Gunners num jogo que parecia perdido. E principalmente para Gabriel Martinelli. Além de levar o prêmio de “King of the Match”, o brasileiro mostrou que tem totais condições de levar sua equipe mais longe nessa temporada. Isso sem falar nos números. O golaço marcado diante dos Blues é o décimo na temporada. Marcas sensacionais.

Por mais que o bom senso e a experiência com outros jovens valores peçam prudência nas análises, é praticamente impossível não se empolgar com o futebol apresentado por Gabriel Martinelli e colocá-lo como sério candidato a uma das vagas na próxima convocação da Seleção Brasileira. E já nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022. Há como se pensar no camisa 35 do Arsenal como uma opção para o segundo tempo que pode atuar pelos lados no 4-1-4-1 preferido de Tite ou até mesmo por dentro num 4-2-3-1 logo atrás do atacante de referência. Com Neymar jogando como um “10” no Paris Saint-Germain, Gabriel Martinelli seria a alternativa de velocidade pelos lados do campo, entrando em diagonal para aproveitar os espaços vazios. Pode parecer cedo, mas conseguir se destacar na Premier League, talvez o campeonato mais disputado do mundo, não é pra qualquer um. Ainda mais com tão pouca idade e rodagem internacional. Não é por acaso que os auxiliares de Tite estavam no Stamford Bridge.

Só o tempo vai dizer se Martinelli vai vingar realmente. Pelo que se vê até o momento, o camisa 5 parece estar no caminho certo para marcar seu nome no futebol mundial. Mas certo é que ele é uma boa nova para Tite e a Seleção Brasileira. Não somente pelos maus resultados, mas por mostrar a todos que ainda produzimos nomes de qualidade. Mesmo que esses nomes sequer sejam muito conhecidos do torcedor brasileiro. Gabriel Martinelli pode e deve estar nas próximas convocações.

LEIA MAIS:

Gabriel Martinelli faz gol contra o Chelsea e repete marca histórica de Nicolas Anelka

Lenda do Arsenal se rende a Martinelli e já lamenta possível saída do brasileiro: “Será muito difícil mantê-lo”