Pablo lamenta ‘ano atípico’ de lesões e falta de gols no São Paulo e torce: “Meta é não machucar”

Atacante Pablo chegou ao São Paulo com status de homem gol e terminou 2019 com apenas sete gols

Péterson Neves
Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale. Contato: petersongneves@gmail.com

Crédito: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Principal contratação do São Paulo em 2019, o atacante Pablo teve uma temporada dificil devido a duas graves lesões e sofreu com a falta de gols. Em entrevista coletiva nesta quinta-feira (16), o atacante de 27 anos lamentou os números ruins, projetou um 2020 diferente e torce para não ter lesões.

Cartão de crédito sem anuidade? Abra sua conta Meu BMG agora!

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

– Foi um ano atípico na minha carreira, muito difícil. Duas lesões graves. Devendo, não. Empenho e dedicação nunca faltaram. É mais resultado. Gols é o que esperam de mim e dos meus companheiros. Agora estou recuperado e 100%. Cheguei bem para a pré-temporada. Espero um ano totalmente diferente do ano passado, que seja muito bom – falou o atleta.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

– Minha meta é não machucar, não ter lesão. Que as fatalidades não aconteçam comigo – completou.

Em 2019, o Tricolor teve quatro treinadores – André Jardine, Vagner Mancini, Cuca e Fernando Diniz – e encerrou o ano com a pior média de bolas na rede da história: 0,95 por partidas. No Brasileirão, por exemplo, foram apenas 39 gols em 38 jogos.

Além de Pablo, o time são-paulino sofreu com a perdas de destaques importantes por lesões e garante que os jogadores estão juntos para fazer de 2020 um ano diferente.

– Em momentos importantes, perdemos jogadores: Pato, Everton, Toró e eu. Óbvio que o time sente isso. Temos de estar inconformados com isso. Não pode um time como o São Paulo fazer uma quantidade de gols tão baixa com esses jogadores. Temos de nos dedicar, fazer o que treinador pede para ter um ano completamente diferente.

Está em dúvida sobre qual curso de faculdade escolher?

O camisa nove são-paulino o vê como trunfo a manutenção do elenco e os retornos de Hernanes, Everton e Alexandre Pato após problemas físicos e entende que as compras de Igor Vinicius, Vitor Bueno e Tiago Volpi foram ‘grandes reforços’.

– Tivemos contratações, sim: Igor (Vinícius), Vitor (Bueno) e (Tiago) Volpi permaneceram. Acredito muito na sequência do trabalho. No futebol brasileiro, começa mal e tudo tem que mudar. Não é bem dessa forma. Se o clube acredita no jogador e ele tem potencial, precisa ter base e sequência – declarou.

– Posso dizer com segurança: em time que se conhece e sabe a filosofia do treinador, as coisas prosperam. Óbvio, Pato, Hernanes e Everton são top, nível absurdo no futebol brasileiro. Óbvio que se estiverem em alto nível físico e técnico, vão jogar muito – finalizou.

Nesta sexta-feira (17), o Tricolor retomará a preparação nesta pré-temporada de olho nas disputas do Campeonato Paulista e da Copa Libertadores. A estreia será no dia 22 de janeiro, às 21h30, no Morumbi, diante do Água Santa pelo estadual.

LEIA MAIS
Em despedida, Hudson lamenta falta de títulos no São Paulo e diz sair de cabeça erguida
Sem reforços e com emprestados de volta! Veja como deve ficar o time base do São Paulo em 2020
Jardine critica postura de Mancini e lamenta lesão que atrapalhou Hernanes no São Paulo