Skyhunter: conheça a história do game de naves desenvolvido no Pará

Skyhunter nasceu em uma competição entre desenvolvedores, sendo um bom exemplo de projeto de game brasileiro

Gisele Henriques
MBA em Administração e Marketing, Pós Graduada em Jornalismo Esportivo, graduada em Licenciatura em Artes Visuais, Tecnologia em Marketing e Bacharelado em Administração, é graduanda de Direito e de Jornalismo.

Crédito: Imagem: Reprodução

Skyhunter: A Grayscale Tale é um jogo de naves criado em 2018 por um grupo de desenvolvedores paraenses; a equipe formada por Ivo Barbosa, Brenda Failache, Pietro Failache e Gilberto Bittencourt desenvolveu a demo jogável em uma competição; desde então, o game chama a atenção nos eventos presenciais que participa.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Sabe como evoluir o Eeeve de Pokémon GO em todos os tipos? Aprenda neste link

Ivo Barbosa explica como nasceu a ideia do projeto: “O Skyhunter é um jogo que foi feito em uma competição entre desenvolvedores de jogos, no qual foi feito pela Brenda Failache toda a concepção da ideia, que era um inimigo que roubou todas as cores do mundo e o jogador deveria recuperar as cores através da nave. Mas ficou só na fase de protótipo, pois era parte da competição “Dev War”, guerra de desenvolvedores, que teve como tema jogos de nave, que começou em 2018, mas como há muitos eventos na comunidade, que foi crescendo bastante, tivemos que encerrar. Era uma competição interna”. 

Ele comenta da importância da participação em eventos de desenvolvimento: “era legal porque a cada evento, a gente podia mostrar a evolução do jogo, e isso é muito legal para desenvolvedores”.

Atualmente, o jogo continua participando de eventos com uma demo jogável. Sua última demonstração pública foi no evento Multiverso da Tecnologia, no Senac Papaleo em Belém (PA), no último dia 13. Na ocasião, Ivo Barbosa também ministrou uma oficina sobre criação de jogos. Ele avalia: “o evento no Senac foi sensacional, consegui mostrar em uma oficina que jogo não é bicho de sete cabeças, além de ter prazer em fazer um jogo, pode ser uma oportunidade de ganhar dinheiro, de apresentar uma inovação para o mercado de tecnologia, no qual tem poucos profissionais aqui, mas o mundo e o Brasil começou a crescer bastante no mercado e precisa de soluções no mercado de jogos, gamificadas ou não”. 

Abaixo, confira um vídeo com imagens de Skyhunter:

LEIA MAIS:

POKÉMON HOME: DETALHES SOBRE O SISTEMA SÃO DIVULGADOS 

CORONAVIRUS THE GAME CHEGA PARA ANDROID 

PRODUTOR DIGITAL ANALISA ADAPTAÇÕES DE HQS BRASILEIRAS PARA GAMES: “TURMAS DIFERENTES”