Weili Zhang detalha ‘saga’ em preparação para luta no UFC 248

Surto de coronavírus na China fez campeã dos palhas alterar programação de treinos

Victor Martins
Um homem que acredita ser jornalista, escritor e 'chato'. Decidam vocês qual será a opção escolhida.Formado na Universidade Metodista de São Paulo. No Torcedores desde 2016 ou algo parecido.

Crédito: Divulgação/Twitter Oficial UFC

Quando chegar a sua luta no UFC 248 contra Joanna Jedrzejczyk, Weili Zhang terá terminado uma autêntica ‘saga’ em seu treinamento para defender o cinturão do peso-palha do UFC. Tudo por causa da epidemia do coronavírus (Covid-19).

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram 

Em entrevista à ESPN americana, Zhang declarou que a epidemia a forçou a mudar totalmente seu treinamento. Da China, a lutadora e sua equipe seguiu para a Tailândia e depois Abu Dhabi antes de chegar a Las Vegas, onde será a luta.

“Eu iria para minha entrevista para tirar meu visto americano em Pequim. Na manhã de 1/2, soube que os voos da China para os EUA estavam interrompidos e meu agente me disse que eu deveria embarcar rapidamente. Fiz as malas e fui para o aeroporto já pelo meio-dia. Achava que estava sonhando, nem sabia onde eu treinaria. Felizmente, tenho dois treinadores tailandeses que me arranjaram uma academia e uma casa para ficar. Me senti aliviada”, disse Weili Zhang.

“Depois, me disseram que eu teria que ir embora e fiquei bastante agitada, mas sabia que o UFC tinha um plano melhor para mim. Segui as instruções deles e deixei a Tailândia depois de uma semana e fui até Abu Dhabi. Para mim foi um pouco frustrante porque tinha me acostumado com a Tailândia, tinha dois treinadores com os quais eu me entendia. Mas não conhecia ninguém em Abu Dhabi e isso me estressou”, completou.

Zhang só sentiu-se mais aliviada quando falou com a mãe na China e esta lhe pediu para que deixasse de lado a preocupação com o que vinha acontecendo e confiasse em seu trabalho e nos dos médicos que estão tentando deter o surto do Covid-19.

“Liguei para minha mãe e disse que eu me sentia chateada. E ela me falou que haviam médicos enfrentando a doença e que eu não deveria reclamar porque eu conseguia viajar. Disse que haviam médicos e enfermeiros que não dormiam e que eu deveria agradecer por eu estar bem. E as palavras da minha mãe me deram confiança para lidar com isso”, explicou.

LEIA MAIS

Esquiva Falcão diz que recebeu proposta de luta por cinturão em abril

(Crédito da foto: Divulgação/Twitter Oficial UFC)